Problema foi novamente citado pelos morados durante a visita da Folha

 

A equipe Folha retornou a Tócos, 17º distrito de Campos, e constatou que os problemas apontados pelos moradores na última visita, em fevereiro, ainda não foram solucionados. O transporte público continua precário, o posto de saúde estaria sem médicos, falta rede de esgoto e também sinalização na Rua José Pereira das Chagas. Para ter acesso a esses serviços, moradores dizem que precisam se deslocar até Goytacazes.

O distrito , de acordo com a população, possui uma Unidade Básica de Saúde (UBS), mas a falta de médicos tem sido uma Constancia. “Para conseguir consulta, muitos pessoas precisam ir até o Hospital São José, em Goytacazes”. “Nosso distrito está esquecido e os problemas só aumentam”, disse o comerciante Ivan Alvarenga, 50 anos.

Para ele, a prefeitura não tem dado atenção aos problemas mais urgentes. “A população não aguenta mais tanto descaso. Por várias vezes, o serviço de saúde tem pecado no atendimento por falta de profissionais. E o pior é que os funcionários não sabem dizer o motivo da falta dos médicos”.

Em resposta, a gestão UBS da secretaria de Saúde disse ter estranhado a reclamação dos moradores de Tócus, pois não existe a informação de falta de médicos na         UBS, que funciona em regime de 24 horas.

Segundo o encarregado da UBS, Carlos Frederico Pessanha, o quadro de médicos está completo, com um plantonista diário, de segunda à segunda-feira; clínico geral, atendendo às segundas e quartas; pediatra nas terças e quintas; ginecologista nas quartas, além de dentista, fisioterapeuta e outros profissionais que totalizam, em média, 120 atendimentos/dia na unidade de saúde.

Ainda de acordo com o encarregado, o ginecologista da UBS de Tócos, devido problemas de saúde na família, se ausentou por 15 dias, mais seu retorno ao trabalho aconteceu na última quarta-feira.

Fonte: Folha da Manhã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *