Sem receber salários desde o mês de março, vigilantes de uma empresa terceirizada que presta serviços para a Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf) suspenderam as atividades até que a situação seja normalizada. Em agosto desse ano, a categoria passou a atuar com apenas 30% do efetivo nos campus da instituição. O clima entre os estudantes é de insegurança e revolta.
De acordo com um vigilante que teve a identidade preservada, o prazo para regularização dos pagamentos expirou nesta quinta-feira (20). Ele estava na guarita principal da universidade recolhendo materiais pessoais, na manhã desta sexta-feira (21). Segundo o sindicato dos Vigilantes do Norte e Noroeste Fluminense, ao todo, são 84 trabalhadores com salários atrasados.
“Trabalhamos até hoje confiando na proposta que o governo fez à empresa. Mas, o acordo não foi cumprido e não temos mais como esperar a boa vontade de quem quer que seja. São sete meses. É quase um ano sem ver a cor do dinheiro deste trabalho. Alguns colegas ainda tinham outro emprego. Outros, não. Imagina para um pai de família sair para trabalhar e não pagar as contas ou colocar alimentos na mesa? A gente lamenta pelos estudantes e funcionários que ficarão sem segurança, mas eles entendem a nossa situação também”, afirmou o vigilante.
Para o estudante de Engenharia Leonardo Rangel, deixar o campus sem vigilantes fere o direito constitucional do cidadão. “Temos direito à segurança, é lei. Mas, ao que nos parece o estado não está interessado nas pessoas que estão aqui (universidade) buscando um futuro melhor. A situação da Uenf é lamentável”, ressaltou.
Marina Lopes acredita que o estado virou as costas para a universidade, pois deseja que a instituição feche e seja menos um problema. “Estamos lutando pela manutenção da Uenf porque não queremos deixar a universidade morrer. Alguma autoridade tem que olhar por nós. Sem vigilantes agora estamos à mercê de todos os tipos imagináveis e inimagináveis de crime”, reforçou a estudante de Veterinária.
Nesta sexta, às 16h, a reitoria da Uenf vai falar sobre a situação dos vigilantes durante uma coletiva à imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *