A Coordenadoria Regional de Defesa Civil do Norte e Noroeste Fluminense promoveu uma palestra sobre prevenção de desastres, através da apresentação do Mapeamento de Ameaças Múltiplas do Estado do Rio de Janeiro, no auditório do Centro Universitário Fluminense-(Uniflu), na manhã desta terça-feira (6). Participaram da apresentação alunos de universidades e escolas técnicas, além de representantes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil dos municípios da região.

O coronel Paulo Renato Vaz, diretor do departamento geral de Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro, conversou sobre os casos dos desastres naturais e tecnológicos já registrados. Segundo o coronel, inundações e transporte de produtos perigosos estão entre os principais acidentes naturais e tecnológicos, respectivamente, na região Norte Fluminense.

— Nós construímos esse diagnóstico através das informações prestadas das 92 Defesas Civis municipais, a partir dessas informações nós construímos um banco de dados das principais ameaças das regiões e do estado de uma forma geral. Na região Norte, nosso principal problema natural são as inundações seguidas por alagamentos, deslizamentos de terra e enxurradas. E os problemas tecnológicos da região, nós temos os acidentes rodoviários, transporte de produtos perigosos e liberação de produtos químicos para os rios, por exemplo. Então, a partir desse grande raio-X, estamos desenvolvendo 736 planos de contingência, onde nós preparamos a população de forma organizada e ordenada com grande antecipação ao verão, que é o principal período da ocorrência. Através do estudo, a gente pode minimizar a consequência desses acidentes pensando principalmente em salvar vidas — contou Paulo Renato.

Sobre incêndios em áreas florestais, como é o caso recente do Parque Estadual do Desengano, Paulo Renato contou que essa é a quinta ameaça em todo estado.

— A questão dos incêndios florestais é muito preocupante no território fluminense. Então nós orientamos fortemente as defesas civis municipais, sobretudo, porque é um problema já identificado mundialmente pelo painel internacional de mudanças climáticas como uma ameaça de desastre que está aumentando em todo o planeta, tanto em prevalência quanto em magnitude. Esses desastres de incêndio florestal, ao contrário das inundações, acontecem principalmente agora, no período de inverno —, disse Paulo.

O coronel ainda falou sobre os casos de estiagem nos rios. “É importante a Defesa Civil procurar outros órgãos ambientais para que ela possa preparar a população. Isso é uma forma eficiente para a retomada do período de normalidade o mais rápido possível minimizando o sofrimento da população”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *