A segurança pública preocupa os campistas que já foram vítimas de criminosos em assaltos à mão armada ou tiveram estabelecimentos invadidos em plena luz do dia em diversos pontos cidade. Para os campistas, o problema tende a se agravar, levando em consideração as festas deste período, liberação de 13º salário pelas empresas e outros. Porém, o 8º BPM responde: Vai ter reforço neste final de ano. A afirmação é do Comandante da PM na cidade, tenente-coronel Fabiano de Souza.  

MEDO

O medo da população não é para menos, já que os bandidos não estão temendo, sequer, câmeras de segurança ou até seguranças armados, pois até o Parquecentro foi invadido, mesmo contando segurança privada na área interna do shopping.

“Minha loja foi assaltada três vezes, duas das quais pelo mesmo bandido. Estou muito tenso e não gostaria de me alongar agora. Mas, deixou a pergunta: o que fazer?”, disse um dos comerciantes da área central ao Campos 24 Horas.

“Muito dificilmente vou esquecer. Passei a tomar remédios controlados depois que o bandido apontou uma arma em minha direção e disse: entrega tudo, caso contrário meto uma ameixa na sua testa’, disse um rapaz que trabalha no caixa de um comércio assaltado.

COMO ACONTECEM OS ASSALTOS

Nas antigas cidades do Velho Oeste os assaltos eram praticados por homens a cavalo e, em Campos, a moda é de homens de bicicleta e, em alguns raros casos, até mesmo a pé. Por aqui há tempos que eles não usam mais carros e motos velozes para fuga, o que mostra que eles se sentem absolutos e inatingíveis.

Prova mais recente aconteceu semana passada, quando uma loja dentro do Parquecentro Shopping, na avenida Pelinca, onde existem seguranças particulares, foi assaltada. Segundo testemunhas, os bandidos (um deles armado) teriam fugido de bicicleta. E o pior: mesmo de bicicleta não foram alcançados.

Na mesma Pelinca, que há tempos, devido à grande quantidade de diferentes segmentos comerciais instalados ali, deixou de ser uma rua e se transformou em um bairro, uma drogaria de porte médio também foi assaltada. E nas mesmas condições, ou seja, em plena luz do dia, em meio ao movimento normal de clientes, por bandidos de bicicleta. Neste assalto, eles também não foram alcançados.

Outro assalto na Pelinca que chamou a atenção dos campistas foi o praticado contra uma delegada de polícia. Este, no entanto, ao contrário dos demais, em um dia de feriado quando muitos estabelecimentos estavam fechados. A delegada foi assaltada numa das ruas do bairro, também por um bandido que estava de bicicleta.

Na área central a situação se repete. Recentemente uma funcionária da Faculdade de Medicina foi assaltada perto do trabalho, durante o dia e da mesma forma, por um homem de bicicleta, se dizendo armado. O mesmo ocorreu na rua Saldanha Marinho, próximo ao Jardim São Benedito, quando uma jovem foi abordada na calçada, por um homem de bicicleta. O vídeo desse assalto rodou durante dias pelos whatsapps dos campistas.

E não para por aí. Uma loja de cosméticos no calçadão do Centro, no horário de movimento intenso, foi assaltada três vezes só esse ano. A audácia dos bandidos é tão grande que, dias após, outra loja, ao lado desta, também foi assaltada no mesmo horário, por volta das 17h. Mais alguns dias depois foi a vez de um restaurante na rua Carlos de Lacerda. E, ainda, uma loja de variedades na rua Sete de Setembro, entre outras no mesmo quadrilátero. Nesta sexta-feira (18) na rua Formosa, uma lanchonete foi assaltada, também durante o dia, pela segunda vez. De novo, homem de bicicleta e armado.

SEGURANÇA PARTICULAR

Diante da onda de assalto, muitos empresários estão tentando se proteger com seguranças particulares. O diretor geral da empresa de vigilância patrimonial VetorSeg, Claudinei Pessanha, explica que sua empresa oferece homens armados e desarmados e que, aqueles que portam armas, têm todo o credenciamento da Polícia Federal para o trabalho. “Eles não podem portar arma na rua, só no estabelecimento que estiverem trabalhando. Eles têm permissão de, em caso de necessidade extrema, atirar. Mas isso só em último caso, porque tem que se preservar a vida dele e das pessoas ao redor”, explica o diretor geral.

SEGURANÇA DO GOVERNO

A segurança do cidadão é dever do Estado e em qualquer situação ele é responsabilizado. De acordo com o comandante do 8º BPM, em Campos, Fabiano de Souza, nos próximos dias a cidade, especialmente as áreas de maior movimento comercial, terão reforço de 40 homens, que vão trabalhar junto com os que já atuam no dia a dia, como forma de conter a onda de assaltos neste período do ano. Em entrevista ao Campos 24 Horas, ele disse que, segundo levantamento feito nos 92 municípios do estado, Campos apresentou o menor índice de crimes, incluindo roubos, furtos, assaltos, entre outros.

DELEGADO FALA SOBRE ‘ELEMENTO SURPRESA’ E O ALTO RISCO DA REAÇÃO 

A recomendação foi dada em recente entrevista pelo delegado da 134ª DP Legal de Campos, Geraldo Rangel, que no dia a dia lida com diferentes tipos de ocorrências que envolvem assaltos, roubos, entre outros. Segundo o delegado, pode haver numa ação criminosa deste tipo um elemento surpresa, independente dos bandidos estarem armados ou não. Por isso a importância de não reagir.

– Uma abordagem criminosa é imprevisível. Mesmo que não haja qualquer tipo de violência por parte do criminoso e, ainda, que não esteja armado, ele pode estar com um comparsa e este estar armado – explica Geraldo Rangel.

Não é somente a arma que pode trazer transtornos à vítima, de acordo com estatísticas do Campos 24 Horas. Uma reação brusca do criminoso desarmado, diante de uma vítima apavorada ou fisicamente mais fraca, pode trazer sérias conseqüências, resultando até em morte. Somente este ano, mais de 10 casos deste tipo foram noticiados pelo site.

Fonte: Campos24h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *