Policiais civis protestam em Campos

Policiais Civis lotados nas delegacias da região se reuniram na tarde desta segunda-feira (27), no Calçadão Boulevard Francisco de Paula Carneiro, no Centro de Campos, para protestar contra as péssimas condições de trabalho e o parcelamento de salários.
Em todo o estado, apenas serviços básicos funcionaram hoje, como lavratura de auto de prisão em flagrante e remoção de cadáver.

A categoria teve o salário referente ao mês de maio parcelado, além de trabalhar em delegacias sucateadas.  O ato terminou por volta das 17 horas

Paralisação no RJ

Policiais civis do Rio de Janeiro fizeram nesta segunda-feira (27) um protesto e paralisaram parcialmente o atendimento em delegacias do estado, contra atrasos nos salários, falta de material de expediente, serviços de limpeza e escassez de combustível. Uma paralisação da categoria durante a Olimpíada não está descartada, segundo o presidente da Coligação de Policiais Civis do Estado do Rio de Janeiro (Colpol-RJ), Fábio Neira.

“A paciência acabou. Agora a questão é de subsistência. Estamos em um colapso. Vamos, gradativamente, aumentando o movimento. Não queremos radicalizar, mas o governo está nos levando a isso. A base está muito insatisfeita e sem perspectiva. Uma paralisação total não pode ser descartada”, disse Neira sobre a possibilidade de greve da categoria durante os Jogos Olímpicos.

Centenas de policiais se reuniram nesta segunda-feira em frente à Chefia de Polícia, na Lapa, e depois seguiram em passeata pelas ruas do centro, com faixas e cartazes de protesto, até a Assembleia Legislativa (Alerj), próximo à Praça 15.

“Queremos a volta da integralidade dos salários; que o pagamento volte para o segundo dia útil; condições dignas nas delegacias; o fim da cota de combustível e que os terceirizados voltem a trabalhar”, disse Neira.

A polícia civil divulgou nota dizendo que entende as reivindicações dos policiais, consideradas justas e motivadas em razão das dificuldades da categoria, e informou que os delegados avaliariam as ocorrências nas delegacias para encaminhar as mais urgentes, durante a paralisação.

“A Chefia de Polícia está avaliando com os diretores-gerais a adesão do movimento, já tendo combinado com estes que o delegado titular da respectiva unidade avaliará a complexidade de ocorrências apresentadas e tomará as providências para o registro e demais medidas legais necessárias ao encarceramento de criminosos presos em flagrante”, informa a nota.

A população também pode fazer ocorrências pela internet, no endereçohttps://dedic.pcivil.rj.gov.br, bem como pela Central de Atendimento ao Cidadão (CAC), pelos telefones (21) 2334-8823, (21) 2334-8835 e pelo chat https://cacpcerj.pcivil.rj.gov.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *