O vice-governador e coordenador de Infraestrutura do Estado, Luiz Fernando Pezão, classificou, na manhã desta quinta-feira (14/3), como “tardia” e “lamentável” a proposta de acordo sobre a distribuição dos royalties do petróleo. A proposta foi sinalizada na tarde de quarta-feira (13/3) por parte de governadores de estados não produtores, como é o caso de Pernambuco, durante reunião de governadores sobre o Pacto Federativo, em Brasília.

— Esta sinalização é tardia. A lei já foi enviada pelo Congresso à presidenta Dilma Rousseff. Então, só nos resta ir ao Supremo Tribunal Federal, assim que a lei for promulgada. Veio tarde essa tentativa de acordo. O governador Sérgio Cabral, desde o primeiro momento, colocou-se à disposição de negociar e ceder. Tanto que cedemos em relação ao futuro (sobre o que ainda não foi licitado). Mas sempre deixando claro que, se mexessem na nossa receita atual, seria impossível ter algum entendimento. É lamentável que essa proposta venha agora, depois da derrubada dos vetos — afirmou Pezão.

O vice-governador destacou o impacto da perda de mais de R$ 2 bilhões só este ano nos cofres do Estado. “Será uma perda muito grande, a gente perde quase R$ 2,2 bilhões este ano, e 95% destes recursos são para pagamento de aposentados e pensionistas. Não são apenas os produtores de petróleo, tem muitos municípios, como Angra dos Reis e outros, que recebem recursos substanciais de petróleo, que vão quebrar. Estamos tomando as providências que o gestor tem que tomar, porque se a gente não tiver repasse na semana que vem teremos que tirar de algum lugar para pagar a folha (de pagamento) no final do mês. Isso é pior ainda com as cidades. Têm municípios onde estes recursos representam mais de 50% de seu orçamento. São mais de 20 municípios que vão à insolvência”, disse.

Fonte: Ascom Estado

Foto: Ascom Estado

 

Fonte: Folha da Manhã Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *