Insatisfeitos com a transferência de moradias para o distrito de Ururaí e alegando richa entre facções naquela região, moradores da comunidade da Margem da Linha fecharam a BR-101, em Campos, na noite de segunda-feira (24/02) como forma de protesto.

thumbsmaterias

Segundo os manifestantes, representantes da Secretaria de Família e Assistência já teriam informado que a mudança deve acontecer até o final de março, mas eles se recusam por temer represália por parte de traficantes do distrito, já que os bairros seriam comandados por facções rivais. Em Ururaí seria o Terceiro Comando Puro (TCP) e na Margem da Linha, seria a Amigos dos Amigos (ADA).

“Não queremos ir pra lá, porque tememos pela segurança de famílias que não têm nada de errado, mas que podem sofrer represália dos moradores de lá. Nós até já recebemos um aviso que se formos para lá, seremos expulsos das casas”, diz a moradora Rosilane de Souza Ramos.

A reportagem tentou um contato por telefone com o Comando da Polícia para buscar uma posição sobre a situação apresentada no local, mas não foi atendida.

Os moradores destacaram que por parte da Prefeitura há a alegação, conforme nota abaixo, de que o local onde moram atualmente é área de risco, e, portanto, o projeto ‘Morar Feliz’, prevê a doação de moradia para essas famílias. Ao todo são, segundo dados da Prefeitura de Campos, 760 moradias na Margem da Linha.

Para protestar, os moradores fizeram um cordão humano e colocaram um sofá e pneus no meio da pista, além de promoverem uma batucada no local. Com isso, o tráfego na rodovia ficou completamente parado, formando um grande congestionamento.

No ato havia cerca de 100 manifestantes, sendo a maioria crianças e adolescentes. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) esteve no local para negociar a liberação da rodovia.

A equipe de reportagem entrou em contato com a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Campos que emitiu uma nota:

“A Prefeitura de Campos desenvolve o programa habitacional Morar Feliz para beneficiar moradores de áreas de risco, assegurando moradias a famílias social e economicamente vulneráveis, que não têm condições financeiras de adquirir uma casa própria. A comunidade da Margem da Linha está localizada entre a Rodovia BR-101, conhecida como Rodovia da Morte, e a linha férrea – uma área que, pela legislação federal, não pode ser habitada. A Prefeitura oferta a casa, ou seja: nenhum morador é obrigado, pelo poder público municipal, a aceitar sair do local para uma casa do Morar Feliz. Porém, em se tratando de área federal, esses moradores correm o risco de serem dali removidos pela Justiça a qualquer tempo. 

No entanto, a Secretaria da Família e Assistência Social estranha tal manifestação. Isso porque, no final do ano passado, em pesquisa realizada junto à comunidade, do universo de 760 moradores, somente 162 disseram inicialmente não ter interesse de sair do local. Levantamento posterior da Diretoria de Políticas Habitacionais da secretaria apontou o interesse de 500 famílias do local pelo benefício. 

Nesta segunda-feira (24/02), foi iniciado o cadastro dessas 500 famílias interessadas em ganharem casas na segunda fase do Morar Feliz, que iniciará com entrega de unidades de Ururaí, conjunto que está em obras. Para o primeiro dia de cadastramento, foi agendado o atendimento de 157 moradores da Margem da Linha, cada um deles responsável pelo imóvel em que residem atualmente. Deste total, 150 compareceram; 5 tiveram problemas com documentação e 145 fizeram o cadastro, confirmando o interesse de ganharem uma casa da Prefeitura, conforme informou a diretora Roberta Moura”.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *