Foto: Divulgação

O único condenado que ainda não havia sido preso do caso “Meninas de Guarus”, Gustavo Ribeiro Poubaix Monteiro, se apresentou no fim da manhã desta terça (14) na 5ª Delegacia de Polícia, na cidade do Rio de Janeiro. Nessa segunda (13), a assessoria da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que os 10 condenados, com exceção dos policiais militares, encontravam-se na cadeia pública José Frederico Marques, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. Já o pedido de Habeas Corpus do ex-vereador Nelson Nahim ainda aguardava decisão, até o fechamento da edição dessa segunda.

De acordo com Jonas Lopes, Gustavo estaria viajando a trabalho em um local que não tinha sinal de celular. “Mas já conseguimos fazer chegar a ele a notícia e ele deve chegar no mais tardar amanhã (hoje), nas primeiras horas ele deve estar aqui. Estarei apresentando na delegacia. Muito provavelmente amanhã (hoje) nas primeiras horas (a apresentação). Quando soube da sentença eu impetrei um habeas corpus em favor dele. A liminar por hora foi indeferida. Agora a gente aguarda o julgamento de mérito do habeas corpus. Acredito que na próxima semana”, destacou.

Jonas informou também que a defesa de Gustavo está confiante. “E falando especificamente da defesa do Gustavo, a gente está muito confiante no julgamento do mérito. Até causou estranheza a sentença para nós. Porque a única vítima que cita a suposta participação dele, fala que o Gustavo teria uma tatuagem no braço. No dia da audiência ele tirou a camisa na sala de audiência a pedido da juíza, ela olhou e Gustavo não tem nenhuma tatuagem no corpo por mínima que seja. Então obviamente ele foi confundido com alguém, nunca teve nenhuma participação, nunca foi a nenhum evento, nada disso. Causou muita surpresa o resultado, primeiro estar envolvido nessa denúncia e segundo ter sido condenado. Mas a gente tem muita confiança que vai reverter no tribunal”.

O advogado do empresário Renato Duarte, João Paulo Granja explicou que o habeas corpus não foi negado. “Foi negada somente a liminar. Você entra com o habeas corpus, o juiz pode de cara deferir a soltura ou indeferir a soltura. Mas o julgamento de mérito do habeas corpus ainda vai se dar daqui uns 20 a 30 dias. Então na verdade, o habeas corpus não foi negado. Ainda vai ser julgado, aí não mais somente pela doutora Rosa Helena (desembargadora). Mas pela Segunda Câmara Criminal. A liminar é tão rara de ser deferida, que quase não se conta com isso. Hoje em dia a gente só conta com o julgamento final de mérito”.

Segundo a assessoria da Seap na tarde dessa segunda, estavam na cadeia pública José Frederico Marques, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu: Nelson Nahim de Oliveira, Renato Pinheiro Duarte, Tiago Machado Calil, Fabrício Trindade Calil, Marcus Alexandre dos Santos Ferreira, Cléber Rocha da Silva, Jayme César de Siqueira, Sérgio Crespo Gimenes Júnior, Dovany Salvador Lopes da Silva Batista e Leilson Rocha da Silva. Já os policiais militares Ronaldo de Souza Santos, Fábio Lopes da Cruz e Robson Silva de Barros foram transferidos para prisão especial para militares.

Meninas de Guarus – O caso ganhou repercussão em junho de 2009, quando a Polícia Civil descobriu um ponto de exploração sexual e prendeu em flagrante o proprietário do imóvel, o Leílson, além de ter libertado cinco mulheres, sendo três maiores e duas menores de 16 e 17 anos. Na ocasião, a Folha publicou com exclusividade a história de prisão e cárcere privado de menores em um hotel e pousada, no Parque Santa Rosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *