Por Aluysio, em 14-11-2011 – 18h53

Os 32 médicos que assinaram e publicaram na Folha nota de solidariedade ao colega Hugo Manhães Arêas, preso por acusação de cobrar consulta de paciente da rede pública de saúde, só irão cumprir a promessa de suspensão de atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS), após efetuarem as consutlas e cirurgias já agendadas pela central de regulação do município. Por telefone, foi o que garantiu ao blogueiro, agora há pouco, o neurologista Paulo Romano, que coordena o movimento. No último sábado, em resposta à nota dos médicos, o promotor estadual Marcelo Lessa, responsável pela prisão de Hugo Arêas na última terça, dia 8, revelou aqui ao blog que o Grupo de Apoio à Promotoria (GAP) vai percorrer todos os hospitais conveniados do município, ainda esta semana, com a ordem de prender os médicos que se negarem a atender serviços já agendados pelo SUS, pelos crimes de corrupção passiva ou de prevaricação.

Paulo Romano, por sua vez, informou que está marcada uma reunião, às 20h da próxima quinta, dia 17, no salão nobre da Santa Casa de Misericórdia de Campos, à qual foram convidados todos os médicos que atendem no município pelo SUS, assim como os representantes dos hospitais conveniados, para fechar a proposta de suspensão do atendimento público, tão logo sejam cumpridos os compromissos já firmados. Ele também denunciou que a Prefeitura de Campos hoje só estaria cobrindo com a rede conveniada 70% dos serviços prestados pelo SUS, e que teria já sido editada uma portaria para reduzir esse repasse em mais 10%, desafiando Marcelo a agir com a prefeita Rosinha Garotinho e seu secretário de Saúde, Paulo Hirano, com o mesmo rigor adotado com os médicos:

— Na gestão de Arnaldo Vianna, a cobretura do município era de 100%. No atual governo, hoje é de apenas 70% e eles ainda querem diminuir mais 10%, como vêm fazendo gradativamente, mês a mês. Só gostaria de ver o promotor também ameaçar prender a prefeita ou o secretário de Saúde, por conta da falta de atendimento à população, pois como os hospitais podem realizar serviços pelos quais não recebem? O médico é só o final da linha nesse processo. Quem é conveniado para prestar os serviços pelo SUS não são os médicos, mas os hospitais. Focar qualquer ação sobre os profissionais, não sobre os contratantes e os contratados, parece perseguição. Mas, com certeza, nós vamos cumprir os compromissos agendados, não só em relação às consultas, mas também às cirurgias já marcadas. Sabemos bem das nossas responsabilidades com nossos pacientes. Não precisamos ser cobrados disso por nenhum outro setor da sociedade. De qualquer maneira, por que não sentamos para discutir, de maneira aberta à população, a real situação da saúde pública de Campos, entre médicos, representantes de hospitais, promotor, prefeita e secretário de Sáude? — propôs o médico.

Sobre a prisão de Hugo Arêas, Paulo Romano alegou que a chamada “consulta social”, que o primeiro teria cobrado ilegalmente, é apenas um nome adotado em Campos para uma consulta particular mais barata, serviço que todos os hospitais conveniados de Campos ofereceriam, em lugares e horários distintos do atendimento pelo SUS. Segundo ele, seriam estas as condições em que seu colega estaria atendendo particularmente na Santa Casa de Misericórdia de Campos, quando foi preso. “Não estamos solidários a um crime, que caberá à Justiça determinar se foi ou não cometido. Nossa posição é de protesto contra o linchamento moral a que um colega nosso tem sido submetido. Num estado democrático de direito, todos são inocentes até que se prove em contrário. E, no caso de Hugo Arêas, o que observamos é uma inversão deste princípio”, disse Romano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *