Além da hereditariedade, a queda dos cabelos também é provocada por diversos remédios ou doenças como diabetes e distúrbios da tireóide.

Um problema mexe com a vaidade de todo mundo: a calvície, inclusive nas mulheres. Os cabelos podem ser sedutores e requerem cuidados, em alguns casos para lá de especiais. Para muitos, é a moldura do rosto. Mas e quando os fios começam a cair?

“É muito ruim. Quando vai fazer um penteado ou um rabo de cavalo, você não sente volume. Parece que não tem cabelo. O chão sempre fica sujo, fica cabelo pela casa toda”, comenta a arquiteta Bruna Turano.

Com apenas 17 anos, Bruna Turano percebeu pela primeira vez que estava perdendo cabelo rapidamente. De lá pra cá, foram várias as tentativas de ter os fios fortes e longos outra vez. “Agora, além de cair, também não cresce. Piorou a situação. A gente vai fazer um tratamento mais atual para ver se melhora”, diz a arquiteta.

Quando a causa é genética, os sinais da calvície no homem podem aparecer entre os 20 e 30 anos. Nas mulheres, por volta dos 17 ou então na menopausa. Além da hereditariedade, a queda dos cabelos também é provocada por diversos remédios usados para emagrecer, para combater o mau colesterol, hipertensão, depressão e até por anticoncepcionais. Doenças como a diabetes, distúrbios da tireóide e ovários policísticos também estimulam a perda de cabelos.

Quando a mulher engravida, os cabelos também parecem ficar mais felizes. A arquiteta Bruna Turano se animou toda, com os fios fortes e crescendo rápido. Mas o entusiasmo durou exatamente o tempo da gestação. “Na gravidez ficou ótimo, ficou volumoso, cresceu bastante, uma maravilha. Depois foi um desastre total”, conta.

É isso mesmo que acontece, explica a médica dermatologista Bruna Duque Estrada. A função hormonal durante a gestação repõe os nutrientes necessários para fortalecer os cabelos. O estresse também estimula a calvície? É muito importante que se defina a causa da queda de cabelo. Para calvície, existem tratamentos bem estabelecidos que, a longo prazo, melhoram o paciente”, afirma a médica Bruna Duque Estrada.

A ciência ainda não tem um tratamento que cura em definitivo a calvície, mas procurar um médico, assim que perceber que os fios estão caindo mais que o normal, é o caminho certo.
As consequências podem ser bem menores.“Quanto antes começar o tratamento, melhor”, orienta a médica dermatologista Bruna Duque Estrada. Fonte: Bom Dia Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *