Transferência de docentes gera tumulto na Educação                                        

Por causa de remanejamento de professores da rede municipal, representantes do Sindicado Estadual de Profissionais da Educação (SEPE) realizaram um piquete no hall de entrada da Secretaria de Educação, contra possíveis notificações da prefeitura a professores que estariam na condição de excedentes. O ato foi feito no início da tarde de ontem, enquanto ocorria uma reunião na secretaria com professores a serem cedidos para outras unidades escolares, que estariam com carência de profissionais.

Segundo a diretora do Sepe em Campos, Graciete Santana, a secretaria estava retirando professores de laboratórios de informática e de salas de leitura e recursos para colocá-los em outras escolas, onde não há professores.

Não posso deixar de ressaltar a presença de professores nas salas de informáticas e de leituras é tão importante quanto na sala de aula, pois os laboratórios de informáticas e as salas de leituras além de proporcionarem aos nossos alunos a possibilidade de continuidade da aprendizagem da sala de aula, também proporcionam maior desenvolvimento da educação e da cidadania.

De acordo com a diretora da Sepe, desde o início do ano, estamos recebendo informações de que professores estão sendo cedidos para outras. Isso ocorre para suprir a carência, tantas vezes denunciada pelo sindicato, e mostrar que sempre houve a necessidade de convocação de 2008. Em documento protocolado pelo Sepe junto à secretaria de Educação, o sindicato informou que em visitas à rede pública de ensino verificou que ‘não existe a propalada excedência de professores.

A secretaria de Educação, Joilza Rangel, disse que o remanejamento de professores excedentes para outras escolas precisava ser feito porque muitos alunos estavam tendo prejuízo no aprendizado por causa da falta de docentes. “Essa é uma medida administrativa”, disse Joilsa, destacando que há um grupo técnico na secretaria para avaliar o quadro das escolas. As prioridades estão sendo checadas. Estamos precisando de professores para as salas de aula e queremos realizar mudanças de modo a não causar transtornos a eles, tanto que é o profissional quem escolhe a unidade para onde será transferido – explicou.

Já a subsecretária de Educação, Dayse Tavares Teixeira, disse que um problema enfrentado hoje na rede é o elevado número de professores com licença médica, que teria motivado a publicação do Decreto 305/2011, em que foi estabelecida a inspeção por junta médica a licenças para tratamento de saúde em prazo superior a 60 dias.

VISITE SEMPRE:  http://fabriciolirio.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *