Paciente sofre de esquizofrenia e recentemente passou por cirurgia na perna

A mãe de um paciente do Centro de Atenção Psicossocial (Caps 3), em Campos, denunciou a agressão que o filho dela sofreu de um técnico de enfermagem do local. O paciente, Anderson Teixeira Fortunato, de 35 anos, que é esquizofrênico, cardiopata e passou por uma cirurgia na tíbia recentemente, teria levado socos e pontapés do agressor. O caso aconteceu no último dia 5 e a família do paciente registrou um boletim de ocorrência na Delegacia do Centro.
“Chamei uma ambulância do Posto de Urgência (PU) da Saldanha Marinho para levar meu filho até o Caps. Ele estava em uma cadeira de rodas e mesmo assim foi arrastado pelo técnico de enfermagem. Eu precisei segurar as pernas dele para não machucar o local da cirurgia. O funcionário gritava para meu filho calar a boca, caso contrário seria amarrado. Neste momento eu já percebi algo estranho”, afirmou Eliete Fernandes, que é enfermeira no HGG há 12 anos.
Eliete ressalta que o filho dela foi avaliado pela médica do PU, onde foi constatado que ele precisava de uma internação. “Meu filho ficou internado no Caps e fui para casa. Mas, horas depois recebi uma ligação para eu ir até o local. Quando cheguei ao Caps me informaram que meu filho foi agredido por um funcionário. As agressões foram confirmadas por outros pacientes que têm condições psiquiátricas de conversar. Mas, os funcionários não confirmaram o fato”, frisou.
Diante do caso, Eliete Fernandes foi para a Delegacia do Centro registrar um boletim de ocorrência sobre a agressão. O técnico de enfermagem prestou depoimento e alegou ter sido agredido pelo paciente.
“Meu filho fez uma cirurgia na perna – ele teve fratura exposta – e não teria força para  agredir um homem em total condição física. Ele foi derrubado da cadeira e levou muitos socos na barriga. Alguns pacientes viram a agressão e me contaram. Eu não vi, mas teve testemunhas”, revelou.
Eliete afirmou que entrou em contato com a Secretaria de Saúde e foi informada que o órgão vai tomar as medidas cabíveis. Porém, dois dias depois do ocorrido, o técnico de enfermagem estava trabalhando normalmente no local. O paciente recebeu alta médica, mas Eliete ressalta que vai lutar para manter Anderson internado no Caps. “Vou ao Ministério Público solicitar a permanência da internação”, concluiu.
Sempre respeitando o princípio do contraditório e buscando as diferentes versões para um mesmo fato, o jornal Terceira Via tentou contato com a assessoria de comunicação da prefeitura, sem obter respostas. Ainda assim, o jornal aguarda e publicará as versões para este fato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *