O setor financeiro do país pretende contratar de sete a oito mil funcionários por meio do programa Jovem Aprendiz. As oportunidades são para estudantes com idade entre 14 e 24 anos que estejam cursando os ensinos Fundamental e Médio. As vagas resultam da ampliação do acordo entre a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) e o Ministério do Trabalho e Previdência Social que ampliou de 5% para 7% o patamar de oportunidades no programa no setor.

Os critérios de contratação são definidos por cada banco que participa do programa, assim como a gestão de pessoal. Os novos funcionários recebem salários e benefícios. Eles também têm de fazer cursos de qualificação profissional. Ao participar do programa, os contratados vão exercer funções de atendimento a clientes, caixa e na área de informática.

Conforme a federação, desde a criação do programa, em 2003, cerca de 30 mil jovens foram beneficiados, dos quais 65% acabaram contratados pelas instituições após dois anos de qualificação.

Pelo acordo, os bancos têm que reservar, no mínimo, 7% das vagas elegíveis para jovens aprendizes — não entram nesse cálculo funcionários com curso superior e os que atuam em funções que demandam formação específica e cargos de confiança.

No último dia 5, foi publicada no Diário Oficial da União nova regra para contratação de jovens aprendizes. O Decreto 8.740 permitirá às empresas que descumprem a Lei da Aprendizagem, por não possuírem local adequado ou por exercerem atividades pouco atrativas à juventude, se adequarem, abrindo, assim, novos espaços de aprendizagem. (A.N.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *