Rodoviários marcam greve para 9 de março

 

Mariana Ricci

Os sindicalistas rodoviários decidiram permanecer em estado de greve e deflagrar apenas no dia 9 de março, data em que a prefeita Rosinha Garotinho foi convocada, pelo Ministério Público do Trabalho, para prestar esclarecimentos sobre o repasse do programa Campos Cidadão e que uma nova audiência administrativa ocorrerá. A decisão foi tomada em assembléia, na noite de hoje (06). O secretário de Governo, Geraldo Pudim, esteve presente e prometeu ajudar os trabalhadores que ainda não receberam o mês de janeiro.

Segundo o presidente do sindicato dos Rodoviários, Roberto Virgílio, o motivo da movimentação, além do atraso salarial por parte de algumas empresas, é a falta de recolhimento de Fundo de Garantia por Tempo de Trabalho (FGTS), falta de pagamento integral de hora extra, reajuste salarial, entre outros. “Como algumas empresas não cumpriram o acordo de pagarem os funcionários até o quinto dia útil do mês (ontem), vamos permanecer em estado de greve e um dia antes da próxima audiência faremos uma nova assembléia para então decidir pela greve”, disse Roberto. Ele explica que na primeira audiência, na sexta-feira passada, foram acordados os tópicos para um Termo de Ajustamento de Conduta, que deverá ser assinado pela prefeita Rosinha no dia 9 de março. “Dentre os itens ficou estabelecido uma multa de R$ 1 mil reais para cada funcionário, às empresas que não pagassem o salário atrasado”, concluiu.

O secretário Geraldo Pudim, em depoimento durante a assembleia, ressaltou a fraude identificada no programa, onde foi detectado numa empresa um único cartão usado mais de 100 vezes em um dia e uma auditoria foi instaurada. “No dia 15 deste mês, terminará as investigações e medidas cabíveis serão tomadas”. Pudim ainda comprometeu-se com os trabalhadores. “Vou conversar com a prefeita para segurar o repasse do Campos Cidadão destinado às empresas e garantir diretamente e integralmente o pagamento aos funcionários”, prometeu.

O presidente da Federação Intermunicipal de Trabalhadores de Transporte Rodoviários, Antônio Tristão, disse que dará um crédito ao secretário, porém a indicativa de uma nova greve é grande. “Não podemos abandonar a luta, pois além do salário reivindicamos outros direitos”, afirmou. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *