Apenas serviços essenciais são mantidos nas unidades.
Campos tem mais de 200 funcionários.

Funcionários do Departamento Geral de Ações Sócioeducativas (Degase) em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, estão em greve desde a terça-feira (25).  Outras 20 unidades também estão em greve em todo o estado. Só em Campos são 200 funcionários e o sindicato não informou a quantidade de grevistas na cidade. O Degase é um departamento estadual responsável por internação e acautelamento de adolescentes do sexo masculino entre a faixa etária de 12 a 18 anos.

A orientação do sindicato é para que os trabalhadores mantenham apenas os serviços essenciais de alimentação, higiene pessoal e emergências médicas dos adolescentes. Visitas e audiências com os menores estão suspensas e novas internações, apenas por determinação da Justiça.

Os servidores reivindicam o retorno imediato do pagamento do Plano de Cargos e Salários, que segundo eles está suspenso desde 2011, e uma política de reajuste salarial como é praticada em relação aos servidores da SEAP (Secretaria de Administração Penitenciária).

O Comando de Greve informou que aguarda uma nota pública do Governo do Estado confirmando o envio do Plano de Cargos e Salários para Alerj (Assembleia Legislativa) em abril e o anúncio de um reajuste diferenciado até o dia 2 de maio nos moldes da Seap (Secretaria de Administração Penitenciária).

Em nota, o Governo do Estado informou que os servidores do Degase estão incluídos no aumento salarial que será enviado à Alerj, juntamente com todos os servidores da Educação. Quanto ao pleito referente à Progressão Funcional dos Servidores do Degase, o mesmo já foi encaminhado para a Casa Civil. Já a progressão funcional, assim como o aumento, será concedida pelo governo em tempo hábil para ser regulamentada e paga aos servidores.

“Além disso estamos em um processo de reordenamento conceitual no qual os recursos humanos receberam tratamento de suas demandas, como viabilização e concessão de auxílio alimentação, auxílio transporte, reajuste salarial equiparado à inflação, além de reforço no quadro de funcionários”, informou a nota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *