Energias renováveis como alternativa no NF

No Norte Fluminense, o município de São Francisco do Itabapoana ganhará o seu segundo parque eólico, de projeto intitulado “Central Geradora Eólica Bom Jardim I”, cinco vezes maior do que o atual, com um orçamento de R$ 540 milhões. A notícia foi ao conhecimento do povo na última segunda-feira (24/01), numa reunião pública em Bom Jardim, localidade de São Francisco.

Energias limpas são alternativas sustentáveis que podem suprir e movimentar a economia. De acordo com o Instituto para Diversificação da Energia (IDEA), em 2020, cerca de 42,3% do total da geração de eletricidade virá de fontes renováveis.

A China é o país que possui a maior quantidade de turbinas eólicas que funcionam no mundo – 50% das turbinas -, devido a altos investimentos para projetos internos. No início do ano passado, Pequim investiu US$10 bilhões no setor (a metade do que o resto do mundo investiu – US$ 20,5 bilhões.

Em países como o Brasil, por exemplo, que tem grande quantidade de água, a energia eólica pode se tornar promissora, já que o sistema de sua produção não consome água, recurso natural em escassez em muitos locais do mundo. Em regiões em que a água é rara, a energia eólica já se tornou fundamental nos dias atuais.

O fato da lentidão na construção de mais parques eólicos no Brasil também se explica, para muitos estudiosos da área, no custo dos empreendimentos e, ainda, na única questão ambiental em que este tipo de construção esbarra: o cenário do meio ambiente, em que as turbinas, por serem muito grandes (algumas passam dos 40 metros de altura), podem afetar o movimento migratório dos pássaros.

A instalação do parque eólico em São Francisco, que terá 85 torres e gerará 136 mil KW, chega como uma esperança à comunidade, com a geração de 500 empregos, só na fase de construção. A previsão é a de que as obras se iniciem em 2012 e o parque entre em funcionamento em 2013.

Com projetos deste caráter, podemos reconstruir a matriz energética do nosso país, com energias limpas e baixo impacto ambiental – quase nulo. Observa-se que projetos de energia limpa é uma tendência global, e acredito que o governo está revendo seu modelo de investimentos neste setor, em detrimento das termoelétricas que poluem muito e as hidrelétricas que causam um grande impacto ambiental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *