O jogador Lucas Perdomo (de boné) chegou a ser preso mas foi liberado por ausência de provas

O jogador de futebol Lucas Perdomo Duarte Santos, de 20 anos, que chegou a ser preso sob acusação de envolvimento no estupro coletivo de uma jovem de 16 anos, mas foi solto por ausência de provas, negou, em novo depoimento nesta quarta-feira (8), ter conhecimento do segundo vídeo feito da adolescente, que comprova o estupro.

O suspeito foi preso no dia 30 de maio e solto no último dia 3. Nesta quarta-feira, prestou novos esclarecimentos, por cerca de uma hora e meia, à delegada Cristiana Bento, titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV). Ele saiu da delegacia por volta das 12h30 e não quis falar com a imprensa. Estava com os pais e a advogada, Renata Barcelos.

A delegada tampouco aceitou dar declarações. Ela se limitou a dizer que Santos afirmou não ter tido conhecimento do segundo vídeo da menina, que veio à tona no domingo (5). A vítima aparece sendo forçada a fazer sexo e reclama de dor.

Lucas – conhecido por Petão no Morro da Barão, na zona oeste do Rio de Janeiro, onde aconteceu o estupro, e Luquinhas, no futebol – também descreveu a casa em que esteve, no dia 21 de maio, com a menina, uma amiga e o lutador Raí de Souza. Ele afirma ter feito sexo com a amiga, e que Souza fez com a adolescente, de forma consentida.

Novo depoimento

A polícia não divulgou por que voltou a convocá-lo. O pai do meia-esquerda do Boavista (time da primeira divisão do futebol do Estado do Rio), Silvio César Duarte Santos, disse que ele mesmo não sabia o motivo.

Leia também:
Polícia aponta ao menos 4 homens em cena de estupro de jovem no Rio
Justiça revoga liberdade de envolvido no estupro de jovem no Rio
Delegada afirma que apreensão de celular de suspeito de estupro foi “crucial”
Novo vídeo traz mais provas de estupro coletivo no Rio
“Ele está tranquilo. A gente fica apreensivo, mas ele não deve nada. Ele está com a família, com o pessoal da igreja. Não sei por que foi chamado. O que perguntarem ele responde”, afirmou. “Mas a gente ficou sem entender. A gente só quer que isso acabe, para viver em paz.”

A advogada do jogador, Renata Barcellos, disse à reportagem que o novo depoimento deve ter o objetivo de ajudar a polícia a esclarecer alguns pontos que ficaram obscuros no inquérito, a partir de novas provas colhidas pelos investigadores.

Na última segunda-feira, 6, o celular de Raí foi apreendido pelos investigadores, que encontraram ao menos dois vídeos com imagens das agressões sexuais praticadas contra a adolescente. Raí está preso desde o último dia 30. Ele nega que tenha participado do crime.

Buscas

A Justiça revogou nesta terça-feira, 7, a liberdade condicional do traficante Moisés Camilo Lucena, o Canário, um dos acusados do estupro. Ele estava livre desde fevereiro. Um mandando de prisão foi expedido contra o criminoso. A polícia procura cinco homens que teriam envolvimento com o crime.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *