Por Esdras, em 07-10-2011 – 23h58

A FPSO OSX-1 de frente para Copacabana em sua chegada
ao Rio

 

Não é à toa que Eike Batista figura entre os maiores empreendedores do mundo.
Ele não dorme em serviço e já comercializou com a Shell os primeiros 1,2 milhão
de barris que serão produzidos pela OSX-1, que acaba de chegar ao Rio e será
instalada na Bacia de Campos. A notícia foi divulgada por ele nessa
quinta-feira, em seu site. Confira abaixo.

Comercialização do 1º
óleo

A OGX, nossa empresa de petróleo e gás,
assinou contrato com a Shell para comercialização de seu primeiro óleo, que será extraído da acumulação de Waimea, no bloco BM-C-41, em águas
rasas da Bacia de Campos. Foi negociado um volume total de 1,2 milhão de barris,
referente às duas primeiras cargas de produção, que será embarcado em dois lotes
de 600 mil barris cada e poderá ser processado em uma das refinarias da
Shell.

O óleo de Waimea, de 20° API – escala usada para medir a qualidade do óleo,
será produzido pelo FPSO OSX-1, por meio do Teste de Longa Duração (TLD)
do poço OGX-26HP. O início da produção – que deverá alcançar inicialmente até 20
mil barris/dia – acontece em prazo único no setor, apenas 2 anos após a
descoberta da acumulação de Waimea, ocorrida em dezembro de 2009.

Em paralelo, assinamos também uma Carta de Intenções para buscar
oportunidades em logística, compra e venda de petróleo, gás natural e
desenvolvimento de novos negócios.

A celebração do contrato de comercialização de nosso primeiro óleo com a
Shell atesta não só a qualidade do petróleo descoberto pela OGX na Bacia de
Campos, mas também a capacidade de execução das equipes de exploração, produção
e comercialização da companhia. Além disso, uma parceria com uma empresa global
que possui 98 anos de história no Brasil reflete nossa vontade de trabalhar lado
a lado com instituições que também estejam comprometidas com o futuro do
País!”

 

Cabe ao poder público o planejamento
para transformar o progresso em desenvolvimento

 

As obras do Super Porto do Açu seguem de vento em
popa

A notícia mostra que o mega empresário não está para brincadeiras em seus
investimentos na região. A OSX-1 é apenas uma das muitas FPSO e plataformas que
serão instaladas em seus blocos na Bacia de Campos. Em futuro próximo, a OSX
estará construindo esses equipamentos para suprir as demandas da OGX e da
expansão da indústria de óleo e gás no Brasil, em seu estaleiro, “o maior das
Américas”, com início de construção marcado para esse semestre, no Distrito
Industrial do Super Porto do Açu, em São João da Barra.

Não há mais como duvidar da força dos investimentos que aportam no interior
do estado do Rio de Janeiro através das empresas X e do seu Super Porto do Açu.
Agora, resta ao poder público fazer um correto planejamento para receber de
forma adequada esse progresso e transformá-lo, efetivamente, em
desenvolvimento.

 

4 comments to Eike vende seus primeiros 1,2 milhão de barris de
petróleo para a Shell

 

  • Henrique

    É isso.

    Engana-se quem pensa que Campos não ganhará nada com isso.

    O norte fluminense todo ganhará.

    É hora de reclamar menos e investir mais.

    A situação politica de Campos não vai afetar em nada o progresso da
    região.

    Muito pelo contrario…a situação menor da politica campista será sucumbida
    pelos investimentos e pelo progresso.

    Quem perder esse trem estará morto.

  • amaro

    Concordo plenamente com voce Henrique e digo mais,não tem como não
    deslanchar. Problemas políticos são ínfimos em relação à grandeza do futuro e
    desenvolvimento da nossa região.

  • LUIZ CLAUDIO

    Esdras,

    Concordo plenamente que é necessário ter um planejamento para o norte
    fluminense, mas temos que observar uma coisa importante, se realmente for
    aprovada a nova divisão dos Royalties, meu amigo, acho que teremos planejamento,
    mas ficaremos a mercê dos Governos Estadual e federal para viabilizar tais
    projetos.

    Um abraço.

  • Genésio

    Finalmente parece que desenterraram o sapo. Não fosse o casal e a bicharada,
    talvez Campos seria hoje uma bela cidade, quero dizer, de janeiro até agosto
    porque a partir daí, ninguém merece a poluição das usinas e das queimadas de
    cana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *