Prefeito diz que verão de 2014 vai ser sem enchentes no Rio. Segundo projeto, 4 piscinões conterão excesso de água das chuvas.

Arte reproduz piscinões que serão construídos para conter águas das chuvas (Foto: Reprodução/Prefeitura)

Arte reproduz piscinões que serão construídos para conter águas das chuvas. (Foto: Reprodução/Prefeitura)

Numa cerimônia rápida, pois “a cidade não está em clima de festa”, segundo disse, o prefeito Eduardo Paes deu início na manhã deste domingo (29) às obras contra os alagamentos na região da Praça da Bandeira, na Zona Norte da cidade. Ele se referia ao desabamento dos três prédios no Centro do Rio, na noite de quarta-feira (25), que deixou 17 mortos. Cinco pessoas seguem desaparecidas.

Paes disse que as obras começam com quase 500 anos de atraso e prometeu aos cariocas um verão sem enchentes em 2014. As obras devem durar 24 meses e têm investimento de R$ 292 milhões, segundo a prefeitura. Pelo projeto da prefeitura, serão construídos quatro reservatórios subterrâneos de água pluvial que pretendem acabar com as enchentes da Bacia do Canal do Mangue. Os reservatórios estão sendo chamados de piscinões.

Na Praça da Bandeira, explicou Paes, será construído o primeiro piscinão. Esses reservatórios vão receber o excedente das chuvas para impedir o transbordamento dos rios. A água dos piscinões será liberada à medida que a rede de drenagem suportar.

Paes explicou que, na primeira etapa da obra, um trecho do Rio Trapicheiros será canalizado.

Alagamento na Praça da Bandeira por causa das chuvas (Foto: Vinicius da Silva Ferreira)Leitor flagrou alagamento na Praça da Bandeira em abril/2010 por causa das chuvas
(Foto: Vinicius da Silva Ferreira/Vc no G1)

O piscinão da Praça da Bandeira terá 12 metros de profundidade e capacidade para 18 mil metros cúbicos. Os outros piscinões serão construídos em áreas próximas, na Zona Norte: um perto da Rua Heitor Beltrão, na Tijuca, para captar as águas do Rio Trapicheiros (com capacidade para 70 mil m³); outro próximo ao Boulevard, em Vila Isabel, para captar o excedente das águas do Rio Joana (143 mil m³); e o último no Alto Grajaú, para o Rio Jacó (50 mil m³).

As obras na Bacia do Canal do Mangue serão realizadas pela Rio-Águas com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2).

Fonte : G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *