Cinco perguntas podem ajudar nesta escolha.

Constantemente surgem novas carreiras, só a UENF oferece mais de 20 cursos. Isso é muito bom para o interior do estado, porém com tantas escolhas muitos jovens acabam ficando indecisos. O que levar em conta na hora de decidir a profissão (salário, habilidades ou o tipo da profissão)? Especialista defendem que quem está nesse dilema deve fazer algumas perguntas a si mesmo.

– Quem você quer ser daqui a alguns anos? – É importante se questionar: ‘quem eu quero me transformar, o que eu quero ser’. Hoje ter um diploma de uma profissão é uma coisa, ser um profissional é totalmente diferente.

– As disciplinas preferidas indicam a melhor área? – Os especialistas dizem que nota boa em uma disciplina nem sempre é sinal de vocação para determinada área. É preciso prestar atenção se tem influência de professor, se o aluno gosta mais da disciplina por causa do professor.

– Só as habilidades naturais definem a escolha? – Segundo a coordenadora do Serviço de Orientação Vocacional da USP, Yvette Lehman, só se forem habilidades artísticas, nas outras áreas nós vemos que há uma possibilidade de desenvolver as habilidades.

– Deve-se levar em conta a tradição profissional da família? – Para a coordenadora, “ele tem um modelo, está incluído, gosta, mas o mais importante é saber que mesmo escolhendo a carreira é dos pais, a história com essa carreira é única e dele”.

– É correto achar que só há a escolha é definitiva? – É preciso ter em mente que as coisas mudam, por isso a carreira também é instável, tudo ocorrerá de acordo com a experiência que o jovem vai adquirindo ao logo da vida.

Essas dúvidas em relação à escolha da profissão atormentam mais da metade dos alunos que estão terminando o ensino médio. E pior, muitas vezes, já na faculdade, o jovem descobre que não tem afinidade com a profissão. É o começa de outro dilema com a dúvida se é melhor desistir e partir para outra ou terminar aquele curso e depois pensar em alguma coisa.

Se o jovem esta no 1° ano de uma faculdade e deseja trocar de área, é melhor trocar enquanto o curso ainda esta no início. Porém se o jovem estiver já no último ano, é melhor ele concluir em vez de recomeçar, para não perder o que já foi investido, e depois então pode cursar uma pós-graduação na área desejada.

Seja como for os jovens precisam ter em mente que é perfeitamente normal surgirem dúvidas e questionamentos em relação ao futuro, porém não é necessário desespero pois vocês têm a vida toda pela frente.

VISITE SEMPRE: http://fabriciolirio.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *