Em meio à maior crise recessiva que atinge o país nos últimos tempos, Campos foi o município com melhor desempenho e uma das poucas cidades que geraram empregos formais no Estado do Rio nos sete meses deste ano, segundo levantamento do Ministério do Trabalho e Emprego, através do Caged (Cadastro Geral de Desempregados e Empregados).

Foram 1.763 postos de trabalho a mais nos primeiros seis meses de 2017, um saldo positivo no balanço entre contratações e demissões. A agropecuária contribuiu com saldo de 2.378 vagas.

Município que também tem na agricultura o carro-chefe de sua economia, São Francisco de Itabapoana também comemora um saldo positivo, com 582 vagas neste semestre. Depois de Campos, foi o terceiro município do RJ que mais gerou empregos nesses seis primeiros meses do ano. Os setores da agricultura e pecuária contribuíram com 584 vagas.

O segundo melhor desempenho do Estado foi de Resende, com 976 vagas. Itatiaia, no Sul Fluminense, obteve 439 postos de trabalho a mais. Piraí ficou com 264; Itaperuna, com 262 vagas; e Maricá, com saldo positivo de 187 postos de trabalho.

Sede do maior empreendimento logístico e portuário do Estado, São João da Barra também contabilizou mais contratações do que demissões com 114 vagas a mais.

Em meio à maior onda de demissões de sua história em razão da queda do valor do petróleo e do fechamento de empresas envolvidas na Operação Lava Jato, Macaé registrou o segundo pior desempenho entre demissões e contratações, com 7.964 vagas eliminadas neste período.

Conceição de Macabu ficou com menos 62 vagas, enquanto São Fidélis registrou saldo negativo de 57 vagas. Quissamã também contabilizou déficit com 48 postos de trabalho e menos. Carapebus teve menos 11 postos de trabalho nestes seis primeiros meses do ano, enquanto Cardoso Moreira registrou uma vaga a menos.

Entre os municípios da Bacia de Campos, Búzios foi a segunda cidade mais atingida pelo desemprego nos últimos seis meses com menos Rio das Ostras contabilizou menos 232 vagas no semestre. Depois, Casimiro de Abreu, com déficit de 202 vagas entre trabalhadores contratados e demitidos. Cabo Frio ficou com menos 101 vagas.

Depois de Macaé, o município que mais eliminou vagas foi o Rio de Janeiro com menos 45.069 postos de trabalho.

Reunião para ouvir dúvidas e sugestões

O secretário municipal da Transparência e Controle, Felipe Quintanilha, participou da reunião mensal do Conselho Empresarial de Jovens Empresários da Firjan, na sede da Representação Regional-Norte da Firjan. Além de ouvir sugestões e esclarecer as dúvidas dos presentes, o secretário apresentou a realidade econômica do município e defendeu o estreitamento das relações com o setor empresarial campista.

— O conselho jovem da Firjan representa a renovação, são empresários que geram empregos, que ditam a economia e têm o direito de saber como anda a estrutura do município para que tenham uma noção da aplicação de seus investimentos. Foi um momento oportuno para estar nos aproximando desse grupo e dialogar sobre a realidade do município e o que estamos fazendo em relação ao enorme problema que herdamos, até porque, eles entendem de gestão. Estamos abertos para ouvir sugestões, demandas e também estreitando essa relação com a sociedade e os empresários — disse Quintanilha.

Fonte: Folha da Manhã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *