O candidato à Prefeitura de Campos, pelo PDT, Caio Vianna para a área econômica deixa claro que tem um foco: sua palavra de ordem é “inovação”. Ao falar sobre queda e dependência dos royalties, ele diz que Campos, hoje, vive a “maldição do petróleo”, por estar acostumada a receber altas cifras, não se preparou para a possibilidade de redução de recursos. “Uma pequena parcela do montante recebido proporcionou algumas melhorias, mas a maior parte foi usada sem qualquer planejamento ou critério”, emendou. O candidato expõe o que pretende fazer pela economia do município. Para ele, o resgate de alguns setores é importante, mas destaca a criação do Parque Tecnológico do Norte Fluminense e do Fundo Municipal de Inovação, seu ponto de partida para atração de empresas e geração de emprego. Caio ainda é pontual ao dizer que “é preciso parar com a perseguição contra os trabalhadores terceirizados”, dizendo que em seu governo dará continuidade, quando necessário. Para a área do Turismo, também apresenta uma série de projetos que estão no seu plano de governo.

Queda e dependência dos royalties
Campos dos Goytacazes vive atualmente a “maldição do petróleo”. Acostumada a receber, durante muitos anos, altas cifras provenientes dos royalties do petróleo, tornou-se dependente dessa arrecadação e não se preparou para a possibilidade de seu término ou de uma redução desses recursos financeiros, como ocorre hoje. Uma pequena parcela do montante recebido propiciou algumas melhorias à cidade, mas a maior parte foi usada sem qualquer planejamento ou critério.

Aumento e alternativa aos royalties
Sendo a cidade um importante polo formador de mão de obra qualificada, é necessário estabelecer metas para o governo que definam ações voltadas a fomentar e estimular a fixação de empresas de base tecnológica, com foco em inovação. Queremos implantar um amplo programa de qualificação profissional para aproveitar o próximo ciclo expansivo da economia, principalmente, levando em conta que somos o maior fornecedor de serviços e mão de obra para o porto do Açu e sua cadeia produtiva. Estabelecer parcerias com o polo de ensino e pesquisa disponível na cidade como fonte de capacitação, criação, inovação e de soluções aos problemas municipais é o caminho. Vamos destinar recursos específicos para implantação do Parque Tecnológico do Norte Fluminense como também do Fundo Municipal de Inovação; apoiar as incubadoras de empresas com foco em tecnologia e inovação. Para gerir todos esses desafios, criar a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação. Gerar emprego e renda associados a essas novas empresas. Precisamos tornar Campos uma cidade independente dos royalties do petróleo.

Novo Código Tributário
O Novo Código Tributário, mais conhecido como “Pacote de maldade”, teve sua inconstitucionalidade declarada pelo juiz da 4º Vara Cível de Campos, Dr. Eron Simas dos Santos. Devido a essa decisão, o Executivo deveria abrir uma agenda junto a entidades como Acic ,CDL, Carjopa e Sindevarejo, para que, através do diálogo, possamos encontrar uma nova proposta de política tributária. Não podemos mais conduzir os interesses da nossa Campos, de maneira autoritária; é preciso ter o diálogo como premissa para o bom desenvolvimento e qualidade de vida de nossa cidade. Vamos buscar uma política de desoneração gradativa.

Desemprego e mercado de trabalho local
Para combater o desemprego, promoveremos a implantação de uma gestão que integre mercado de trabalho, empreendedorismo e suporte ao surgimento de empresas com foco nas atividades vocacionais de nossa região e na cadeia produtiva do Complexo do Porto do Açu (apoio às escolas profissionalizantes com convênios, em cursos voltados à empregabilidade. Buscaremos a melhoria da renda per capita e melhor posicionamento no IDH, proporcionando dignidade e melhor qualidade de vida ao cidadão. Fomentaremos a indústria criativa socialmente inclusiva. Exemplos: marisqueiras, projeto cerâmica da Uenf, doces, turismo, gastronomia, artesanato, teatro, implantação em convênio com o estado (Uenf /Faetec) de uma escola técnica de teatro, outros. O dinheiro precisa circular na economia. Precisamos rever as exigências inseridas nos processos licitatórios da prefeitura. O conjunto de exigências excluem as empresas locais, propiciando o vazamento da renda. Queremos as empresas de Campos como fornecedores de serviços.

Gastos com terceirizados
Daremos continuidade à terceirização de serviços como limpeza, manutenção, etc. Os serviços considerados essenciais serão de responsabilidade direta da administração pública. É preciso parar com a perseguição contra os trabalhadores terceirizados.

Concurso público
Admissão imediata dos concursados; faremos uma avaliação do quadro de servidores para identificar as carências de cada segmento se esse for necessário, propor abertura de novos concursos.

Complexo Farol/Barra do Furado estagnado
O projeto da Barra do Furado, a envolver também o município de Quissamã por depender de recursos do Governo Federal, será uma das prioridades do novo governo. Esse projeto, que permitirá a instalação de um grande distrito empresarial no entorno da Barra do Furado, vai representar muito para Campos, região e todo o Estado do Rio de Janeiro, que hoje perdem divisas na exploração do petróleo, porque muitos operadores são obrigados a destinar seus equipamentos para outras regiões. Esse projeto é um grande investimento, pois tudo o que for investido terá retorno garantido. Segundo avaliação das empresas interessadas e motivadoras do empreendimento, esse projeto acrescentará milhares de novos postos de trabalho e não beneficiará apenas Campos. Uma das primeiras ações de governo será uma proposta de criação de uma startup em conjunto com a Prefeitura de Quissamã, para apresentar um plano de trabalho de implantação do complexo em 60 dias.

Fundecam e Fundecam Solidário
O papel do Fundecam será o de atrair novos negócios para nossa cidade, disponibilizando recursos financeiros para o desenvolvimento de setores produtivos. Continuaremos o aprimoramento de novos modelos de relacionamento entre o poder público e a iniciativa privada, buscando sempre o desenvolvimento, maior geração de emprego e qualidade de vida da nossa cidade. Quero fomentar negócios e emprego.

Setor sucroalcooleiro
Este setor, que tanto já representou em nossa região, precisa ser revitalizado com maior oferta de matéria prima. Temos terras e água em abundância, mas faltam técnicas modernas de irrigação. Vamos buscar as entidades como Asflucam e Sindicato Rural para discutirmos e traçarmos ações que possam oferecer suportes como: introdução a novas tecnologias, apoio para projetos de irrigação, patrulhas mecanizadas, conservação de estradas vicinais, entre outros. É importante destacar as parcerias de cooperação e apoio às entidades representativas de classe.

Indústria Ceramista
O setor ceramista merece toda a nossa atenção. Suas unidades de produção representam mais de 100 empresas com a geração de mais de sete mil postos de trabalho. É preciso abrir uma agenda de trabalho para, junto ao Sindicato das Indústrias Ceramistas e à Anicer, identificarmos as ações necessárias para que possamos agregar mais valor aos produtos aqui oferecidos ao mercado. Outro ponto a ser discutido é como viabilizar para que esses produtos sejam priorizados para consumo em nossas obras públicas — tijolos e telhas para as casas e outros itens que estejam na linha de produção e de consumo da Prefeitura. É preciso inserir a produção ceramista na cadeia de fornecimento das obras do poder público municipal. Se vamos construir casas e escolas, por que os tijolos não podem ser comprados nas cerâmicas de Campos? Precisamos promover um círculo virtuoso na economia, fazendo com o que dinheiro do município fique por aqui.

Agricultura e Pesca
O fortalecimento e a valorização dos setores agropecuário e pesqueiro do município são essenciais para a promoção do desenvolvimento de Campos, já que se trata de um município que apresenta características, aptidão e potencial agronômico favoráveis a essas atividades. Entre as metas do nosso programa estão o apoio à diversificação agrícola, como fonte alternativa de produção de renda, e a descentralização dos serviços do setor agropecuário da Secretaria de Agricultura, através da criação de núcleos regionalizados no interior do município. Também ofereceremos oportunidade de crédito para o pequeno trabalhador rural, a quem garantiremos condição de mercado de produção, rentabilidade de suas atividades e melhoria do padrão de vida familiar.

Turismo de negócio e religioso
Estabeleceremos parceria entre o governo e empresários para implementar os eventos culturais do município. Incentivaremos o Turismo de Congressos, aproveitando o Centro de Convenções da Uenf. Incentivaremos também o Turismo Cultural, revitalizando o Museu do Açúcar e o Museu da Pesca, no Farol de São Thomé. Faremos a integração entre entidades públicas e privadas com foco na melhoria do turismo. Promoveremos a conservação de estradas de acesso aos atrativos turísticos, com sinalização específica. Providenciaremos o inventário turístico do Município. O Sicomtur e Turiscampos atuarão com o objetivo de normatizar, viabilizar e gerir as ações de uma política de Turismo em nossa cidade. Ex: Encontro de Motociclistas; Rally do Petróleo. Temos festas com grande apelo, como a Festa de Santo Amaro, Baixada Campista. É um período em que poderemos integrar outras ações culturais como atrativo. A Baixada será um grande polo industrial com as cerâmicas, um grande polo de atração cultural e de lazer, com cavalhadas e a praia durante o verão e na baixa da temporada, é um grande centro de agronegócios.

Comércio e indústria
Priorizar as compras da prefeitura no comércio e indústria de Campos; projeto de apoio à reforma e modernização do comércio do centro de Campos; promoção de eventos e feiras, revigoramento do Shopping Estrada; disponibilização de recursos financeiros para o desenvolvimento de setores produtivos através do Fundecam; apoio à produção artesanal de Campos; implantação do Escritório Comercial do Município, na cidade do Rio de Janeiro; apoio à atividade pesqueira no município, com a criação da Escola de Pesca e construção Naval; desenvolvimento do Polo Moveleiro. Faremos estudo, junto com a Firjan, de viabilidade para a implantação de uma fábrica de adubos em nosso município.

Municipalização e Realfandegamento do aeroporto Bartholomeu Lysandro
Com a municipalização do aeroporto Bartholomeu Lysandro, o poder executivo precisa assumir de fato sua gestão. Podemos elaborar um estudo de viabilidade para a criação de um modelo aeroporto-indústria, já que a proximidade do nosso distrito industrial é de fácil acesso. Outra proposta que deve ser avaliada é a criação de uma Zona de Processamento de Exportação (ZPE). A ZPE é um distrito industrial onde empresas nele localizadas operam com suspensão de impostos e gozam de procedimentos administrativos simplificados, o que,junto ao complexo do Açu, seria de grande atrativo para a implantação de novas industrias em nosso município.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *