Assim como governo do Estado e Prefeitura do Rio, prefeita de Campos resolve barrar empresa denunciada pelo “Fantástico”

Um dia após o governo do Estado e a Prefeitura do Rio cancelarem contratos com empresas que integravam um suposto esquema de corrupção exibido no ultimo domingo em matéria do Fantástico, da TV Globo, a prefeita Rosinha Garotinho (PR), após uma ampla repercussão nos blogs da cidade e na Folha Online, resolveu barrar a empresa Rufolo, que prestava serviços em diversas secretarias. Enquanto a prefeita decidia em seu gabinete o rompimento do contrato, a oposição cobrava informações na Câmara e a situação tentava minimizar a polêmica.

Através de nota encaminhada por e-mail, a Prefeitura de Campos informou que houve transparência na contratação da empresa e que ela já seria substituída. “A Rufolo Empresa de Serviços Técnicos e Construções Ltda, como todas as outras empresas que prestam serviços à Prefeitura de Campos, foi contratada por um processo transparente de licitação. A Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes informa que no final do ano de 2011, insatisfeita com o desempenho da Rufolo, que sistematicamente atrasava o pagamento de seus funcionários, comunicou a mesma que só manteria contrato pelos três primeiros meses de 2012, o que significa ao final deste mês de março. No inicio de março deste ano, a secretaria de Planejamento e Gestão enviou para a Comissão de Licitação o processo nº  2012.100.000017-7-PR , que de lá foi encaminhado para a Procuradoria Geral do Município, aguardando tramitação final para realização do Pregão nº 21/2012, com finalidade da substituição da empresa anterior”, diz a nota encaminhada pelos governistas.

Na Câmara, duas horas antes da prefeitura anunciar a sua posição sobre a Rufolo, com um plenário cheio e sob um clima de nervosismo, vereadores da oposição e da situação debateram demasiadamente sobre o tema.

O vereador Rogério Matoso (PPS) solicitou informações sobre os contratos celebrados entre a Rufolo e a Prefeitura, exibiu um vídeo com a matéria do “Fantástico” e criticou a posição do líder governista. “ Como o líder do governo encaminha a votação mesmo antes da apresentação!? Informação não é critica. É um governo transparente ou traz parente?”, falou  Rogério. Já a vereadora Odisséia Carvalho (PT) desabafou. “somos minoria e a situação encaminha em bloco tudo ao contrário. Não sabe trabalhar na adversidade é só eu mando você obedece. Ninguém aqui quer criticar por criticar”, falou.

Na defesa do governo, o vereador Jorge Magal, que falava constantemente em seu celular com o secretário de Governo, Geraldo Pudim, tentava minimizar o caso.

Fonte: Folha da Manhã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *