A Prefeitura de São João da Barra deve cerca de R$ 6 milhões a concessionária de energia elétrica Ampla. A informação foi confirmada pelo presidente da Câmara de Vereadores, Aluizio Siqueira durante a leitura, nesta quarta-feira (17/08), de dois ofícios enviados pela concessionária em resposta a requerimentos aprovadosrecentemente pela Casa de Leis, temendo um possível corte de luz nas repartições públicas.

A sessão da Câmara desta quarta não foi realizada por falta de quórum. Só compareceram os vereadores: Alex Firme, Aluizio Siqueira, Sônia Pereira e Ronaldo Gomes.

Após a leitura da ata da sessão anterior, o presidente leu os ofícios. Um deles foi o 068 do último dia 09, solicitando informações sobre possível existência de dívida por parte da Prefeitura – pedido feito por Aluizio, Alex, Sônia, Ronaldo e Jonas Gomes.

No ofício, a Ampla informa que há débitos de consumo de energia elétrica para prédios municipais e iluminação pública no montante de R$ 2.710.517,27 referentes às contas de maio, junho e julho de 2016. Além disso, a empresa anexou cópia de um contrato assinado em 14/03/16 entre o Executivo e a empresa para parcelamento de débitos no valor de R$ 3.210.110,95 relativos a contas anteriores. E informou que a Prefeitura já foi notificada, no dia 21 de julho deste ano, sobre a possibilidade de suspensão de energia elétrica a qualquer momento, nas unidades que não prestam serviços essenciais.

“Será que a Prefeitura não paga mais nada em nosso município? A população está passando fome – disse Ronaldo. “Cabe ressaltar que nas contas de energia nós pagamos uma tarifa referente à taxa de iluminação publica. Será que nem isso o prefeito está repassando à Ampla”, disse Aluizio, lembrando que a dívida total do município com a concessionária é de R$ 6 milhões. “É um descaso descontar a taxa de iluminação do contribuinte e não pagar à Ampla”, completou Alex Firme.

O outro ofício lido refere-se ao requerimento nº 064/16, de autoria de Aluizio, que pleiteou a instalação de rede elétrica no loteamento de Jardim das Palmeiras, em Atafona.

 

OUTRO CASO
No último dia 02, a Prefeitura de Quissamã teve de suspender o expediente administrativo na sede do executivo municipal porque a concessionária Ampla havia cortado o fornecimento de energia elétrica de várias unidades do ógão devido a pendências no pagamento das contas. Apenas escolas e unidades de saúde estavam funcionando normalmente.

Dois dias depois da suspensão, por determinação judicial, a energia elétrica nas oito unidades da Prefeitura foi restabelecida de forma imediata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *