Por Aluysio, em 04-10-2011 – 15h21

Com base no programa do Cláudio Nogueira de hoje, na Rádio Continetal, do Grupo Folha, o jornalista e blogueiro Saulo Pessanha lembrou aqui que a sessão de hoje na Câmara pode ser palco da tentativa de destituir da presidência o vereador Nelson Nahim, que ontem anunciou aqui, oficialmente, sua saída do PR. Bom lembrar que a informação, antes de ser repercutida pelo Cláudio e o Saulo, partiu do próprio Nahim, que a revelou originalmente aqui, ao blog, no último sábado, em entrevista republicada na edição impressa da Folha do dia seguinte.

De qualquer maneira, não custa lembrar que aqui, também neste blog, o líder da situação Jorge Magal (de mudança do PMDB para o PR) garantiu que, pelo menos até ontem, o pensamento de tentar destituir Nahim não fazia parte da estratégia governista. Todavia, como o próprio Magal fez revelações anteriores ao blogueiro, que acabaram desmentidas pela realidade na primeira ordem contrária do deputado federal Anthony Garotinho (PR), tudo indica que, mais uma vez, será a vontade deste que determinará os acontecimentos na sessão da Câmara de hoje, ou, quem sabe, na de amanhã.

E o que determinará a vontade de Garotinho? Bem, após consulta à assessoria do TRE, o blog divulgou aqui, também ontem, o calendário possível para que o plenário do Tribunal julgue Rosinha, dentro do prazo de 30 dias na decisão liminar monocrática que a reconduziu ao cargo: 6, 13, 20 ou 27 de outubro. Se ela for condenada, quem assumirá a Prefeitura até uma decisão contrária em instância superior (TSE e, depois, ainda o STF), será o presidente da Câmara.

Como, entre aliados e opositores, ninguém parece ter dúvida que Garotinho estará disposto a fazer (literalmente) tudo para manter a Prefeitura de Campos sob sua tutela, o afastamento de Nahim da presidência da Câmara ganha força na exata proporção em que este parece, desta vez, estar mesmo disposto a romper politicamente com o irmão. Daí, importantíssimo o raciocínio desenvolvido aqui, pelo jornalista Ricardo André Vasconcelos, transcrito integralmente no post abaixo.

Ao pensamento do Ricardo, que vê na suposta autonomia política de Adbu Neme (PSB) e Dante Pinto Lucas (ainda no PDT) as maiores chances para não se configurar aquilo que classifica de “golpe contra Nahim”, no qual seriam necessários 2/3 da Câmara (ou seja: 12 vereadores), este blogueiro acrescentaria ainda os nomes de Altamir Bárbara (PSB) e Jorginho Pé no Chão (PTdoB). Embora presentes nas reuniões com Garotinho, numa Prefeitura ocupada durante os dois dias da última cassação de Rosinha, foram estes os quatro que não assinaram o documento que Vieira Reis (PRB) tentou ler, na Câmara, na última sexta, quando Nahim tomou posse como prefeito, gerando toda a lamentável confusão que aconteceu na sequência.

Como parece claro que, a partir do momento em que Rosinha ganhou o prazo de 30 dias, Garotinho baixou a corda que antes havia esticado ao ponto da desobediência civil, esgarçada e quase rompida no tumulto da Câmara, resta saber se as tentativas de bastidores conseguirão demover Nahim de rumar à oposição. Caso contrário, tudo indica que os rumos de Campos, além do TRE, passarão também pela decisão de quatro vereadores: Adbu Neme, Dante Pinto Lucas, Altamir Bárbara e Jorginho Pé no Chão.

Na dúvida sobre como cada um deles agirá, a partir das 17h de hoje, apenas uma certeza: Campos inteira os estará observando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *