Foi emitida nesta segunda-feira (30/10) uma nota oficial em que a secretária municipal do Ambiente de Itaperuna, Jeane Hespanhol Mozer solicita que a população itaperunense que evite o desperdício de água a fim de evitar o desabastecimento. No documento, a secretaria explica a situação agravante na qual se encontra o Rio Muriaé, responsável pelo abastecimento de água do município.

O munícipio se encontra em situação de emergência — decreto 5774 de 24 de Outubro de 2017—, e a perda dos recursos hídricos apontada foi de 60%. Na produção leiteira, uma das maiores potências na economia da região, a queda foi de 50%, o que preocupa muito os produtores rurais e autoridades.

Confira a nota na íntegra:

“Estamos atravessando um período de estiagem de sete anos e que  intensificou nos últimos quatro anos. Todos os cursos de águas que vem do Estado de Minas Gerais estão muito secos, com isso e outros agravantes locais, a vazão do Rio Muriaé deve estar na ordem de 5 (cinco) m³/s (metros cúbicos por segundo), ou seja, somente para atender o abastecimento público, que já está com déficit de capacidade. Além disso, com essa vazão, as algas que cobrem o leito dos rios, e seus afluentes se multiplicam.

Informamos que estas algas são efeito do acúmulo de carga orgânica nas águas, oriundas dos esgotos domésticos e com a baixa vazão do rio, com águas quase paradas, elas cobrem a superfície do leito do rio e diminuem a oxigenação e o fluxo natural de suas águas e como se fosse uma morte lenta.

Seria possível retirá-las, porém, com o baixo fluxo das águas do rio, elas provavelmente não irão descer, não sairão do lugar. E se for retirar e jogar em outro lugar, mais complicado ainda. São matérias orgânicas e contaminadas e de difícil descarte. Infelizmente a solução é esperar pelas chuvas.

A situação é crítica e depende de chuva, e o excelentíssimo senhor prefeito Doutor Marcus Vinícius, já está tomando as devidas providências dentro das necessidades emergenciais e pede para que a população evite o desperdício, diante da seca que assola a nossa região”.

Fonte: Ururau

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *