Justiça determinou anulação de 13 das questões; MEC diz que vai recorrer.

A edição 2011 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi marcada pela antecipação de algumas questões da prova em apostilas distribuídas pelo Colégio Christus, de Fortaleza, a seus alunos. A Polícia Federal foi acionada para investigar o caso. O Ministério da Educação chegou a cancelar a prova de 639 alunos da escola, mas a Justiça Federal ordenou o cancelamento de 13 questões em todo o país. O MEC disse que iria recorrer da decisão.

No dia 22 e 23 de outubro foram realizadas as duas etapas do Enem 2011 em 1.599 com 5,3 milhões de inscritos. O Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep), autarquia do Ministério da Educação responsável pela organização do Enem anunciou que o Enem 2011 obteve uma média de abstenção de 26,4%, representando cerca de 1,4 milhão de candidatos inscritos que não apareceram.

 No dia 25 de outubro o MEC divulgou o gabarito oficial do Enem 2011. Porém na rede sociais de Fortaleza circulava fotos de apostilas de um suposto simulado de um colégio com pelo menos dez questões idênticas a que caíram no Enem.

No dia 26 de outubro o MEC anulou o Enem de 639 alunos do Colégio Chirstus e anuncia que eles terão de fazer novamente o exame.

 No dia 27 de outubro o Ministério Público Federal do Ceará entrou  na Justiça com ação para pedir a anulação de todo o Enem ou das 13 questões que foram antecipadas pelo colégio Christus.

No dia 28 de outubro a Defensoria Pública da União anunciou que enviará recomendação ao Inep para que sejam anuladas 14 questões do Enem ou para que o exame seja cancelado. O MEC nega que outros estudantes tenham recebido as apostilas.

No dia 31 de outubro nas ruas de Fortaleza houve protestos de estudantes contra as falhas do exame. À noite, a Justiça Federal no Ceará decide anular 13 questões do exame em todo o país. E o ministro Fernando Haddad declara que a decisão  é sóbria, mas que irá afetar 99,9% dos estudantes que não se envolveram no caso.

No dia 1° de novembro o Ministério Público Federal do Ceará declarou que iria pedir a anulação de mais uma questão do exame que teria aparecido nas apostilas do Colégio Christus. A Advocacia Geral da União afirma que o governo iria recorrer da decisão da Justiça do Ceará. O MEC informa que pela Teoria de Resposta ao Item (TRI) o cancelamento das 13 questões em todo o país não afeta a pontuação do Enem.

RESUMINDO: hoje dia 3 novembro o juiz federal Luís Praxedes Vieira analisou o caso na segunda (31) e ouviu a defesa do MEC, apresentada pela presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Malvina Tuttman. A Justiça optou por não cancelar a edição deste ano do Enem, mas anulou, para todos os mais de 4 milhões de estudantes que fizeram as provas, 13 questões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *