Nível dos Rios Paraíba e Ururaí registra aumento considerável

Chuvas em Minas Gerais, Rio e São Paulo contribuíram para aumento do nível do Paraíba do Sul

O Rio Ururaí subiu quase 20 centímetros neste final de semana, depois de três meses abaixo da régua. Na medição feita pela equipe da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, nesta segunda-feira (4), o nível é 2,28m, enquanto que na última sexta-feira (1º) era de 2,10m. Segundo o coordenador do órgão, major Geremias Nogueira Neto, o Rio Paraíba registrou um aumento de 63 centímetros, também nos últimos dois dias, chegando a 6m. 

— O Paraíba atingiu o nível normal. Por conta de chuvas nas regiões dos Rios Pomba e Muriaé, vindas de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, o Paraíba deve aumentar ainda mais, mas nada significativo. Esta é a projeção tomando como base as previsões de chuva para a semana. Já as chuvas nas proximidades de Lagoa de Cima e do Imbé provocaram o aumento do Rio Ururaí, mas o nível ainda está baixo. O normal para esta época é de 3 metros. A Coordenadoria Municipal de Defesa faz o monitoramento diário do nível destes rios — explicou major Geremias.

O nível normal do Rio Ururaí é de três metros e 3,80 de transbordo. Já o Paraíba do Sul, a cota normal é de 5,80m e de transbordo, 10,40m.

A superintendência de Agricultura e Pecuária deu início na semana passada, à limpeza dos pilares da Ponte do Gote, sobre o Canal das Flechas, na localidade de São Martinho, na Baixada Campista. O trabalho, feito em parceria com o Governo do Estado, visa remover a vegetação para que em caso de aumento no volume de água oriundo do Rio Ururaí, depositado na Lagoa Feira, o fluxo ocorra normalmente.

Fonte: Comunicação/PMCG

Petrobras aumenta preço médio do gás de cozinha em 8,9% a partir desta terça

Desde junho, estatal revisa preço do gás mensalmente; já foram anunciados seis aumentos e uma redução.

A Petrobras elevará os preços do gás liquefeito de petróleo (GLP) envasado pelas distribuidoras em botijões de até 13 kg, o chamado gás de cozinha, em 8,9% a partir de terça-feira (5). O reajuste foi motivado principalmente devido à alta das cotações do produto nos mercados internacionais, segundo nota enviada pela estatal.

A empresa frisou que reflexos no preço final ao consumidor vão depender de repasses feitos especialmente por distribuidoras e revendedores. O aumento não se aplica ao preço do gás destinado a uso industrial e comercial.

No ano, o preço médio do gás de cozinha no país acumula alta de 17,7%, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP). O valor médio do botijão para o consumidor saltou de R$ 55,74 na primeira semana de janeiro para R$ 65,64 na semana encerrada em 2 de dezembro.

Pela nova política de preços adotada pela Petrobras desde junho, o preço do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) passou a ser revisado todos os meses.

O último reajuste feito pela Petrobras aos preços cobrados das distribuidoras ocorreu há cerca de um mês. Desde junho, foram anunciados seis aumentos e uma redução no preço do gás de cozinha. Confira todas as revisões anunciadas:

  • 4/07: -4,5%
  • 4/08: +6,9%
  • 5/09: +2,2%
  • 25/09: +6,9%
  • 10/10: +12,9%
  • 3/11: +4,5%
  • 04/12: +8,9%

Preços ao consumidor

Em nota, o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), informou que o reajuste oscilará entre 7,3% e 9,9%, de acordo com o polo de suprimento. Pelos cálculos da instituição, o ajuste anunciado deixa o preço praticado pela Petrobras para as embalagens de até 13 quilos aproximadamente 1,3% abaixo do preço de paridade internacional.

Fonte: G1

Campos traça novas ações de combate à dengue

Mutirões serão intensificados nos próximos dias e o cronograma será traçado pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ)

A diretora da Vigilância em Saúde, a médica infectologista Andreya Moreira e o diretor do Centro de Referência de Doenças Imuno-infecciosas (CRDI), o clínico geral Luiz José de Souza, estiveram reunidos nesta segunda-feira (4) na secretaria municipal de Saúde para traçar novas ações de prevenção contra dengue no município principalmente nos períodos de chuva. 

Durante a reunião ficou definido que os mutirões serão intensificados nos próximos dias e o cronograma será traçado pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de acordo com o índice de infestação dos bairros. Outra medida será acionar os Comitês Gestores que já existem no município desde o início do ano.

— Foram registrados 23 casos de dengue no município até o mês de outubro. A situação está sob controle, mas a população precisa ficar alerta quanto à dengue, zika e chikungunya, principalmente neste período de chuvas. Nossas ações e planos de combate têm sido realizados desde o início do ano com mutirões constantes. Temos que intensificar nossos 10 minutos, por semana, contra a dengue — ressaltou Andreya.

Segundo Luiz José, “as chuvas frequentes favorecem a proliferação do vetor e por isso a população precisa ficar ainda mais alerta e cuidar não somente de suas casas, mas também ajudar os vizinhos e denunciar caso veja terrenos baldios sem limpeza. É bom lembrar ainda que o lixo deve ser separado e ensacado adequadamente para que não haja acúmulo de água”.

As principais prevenções contra a dengue, zika e chikungunya como citado pela diretora da Vigilância em Saúde e que demandam apenas 10 minutos, por semana, são: tampar as caixas d’água, manter as calhas sempre limpas, manter a lixeira ou sacos de lixo bem fechados, tampar os ralos com telas ou mantê-los sempre vedados, manter baldes e vasos de plantas sempre vazios, guardando-os em local coberto e de boca para baixo, entre outros.

Fonte: Campos24h

Há 12 dias sem ônibus, moradores da região de Rio Preto realizam manifestação

Um veículo teve todos os vidros quebrados

Moradores da localidade de Rio Preto, Itereré e adjacências realizam, nesse momento, uma manifestação em protesto à falta de coletivo na região. De acordo com os manifestantes, há 12 dias que a região está sem ônibus. Segundo eles, um verdadeiro “jogo de empurra” foi formado entre a Prefeitura e a empresa Rogil que faz a linha no local. Eles afirmam que a prefeitura diz que está em dia com a empresa e a empresa, por sua vez, diz que a prefeitura não faz o repasse para os trabalhadores, o que faz com que os profissionais cruzem os braços e a população fique sem transporte. 

Os manifestantes acrescentam que até mesmo crianças e jovens estão sem ir à escola por falta de coletivo. Além disso, muitos idosos que precisam se deslocar até o Centro da cidade para consultas médicas estão impossibilitados, agravando ainda mais a situação de saúde dessas pessoas. E tem mais: Contas de água, luz, telefone, entre outros, estão atrasadas porque as pessoas não estão podendo vir à cidade para pagar.

Quando a Polícia Militar chegou ao local encontrou um ônibus apedrejado pelos manifestantes. O coletivo teve todos os vidros quebrados por pedras. Dois extintores de incêndio do próprio ônibus também foram usados no momento da manifestação para danificar o coletivo.

Fonte: Campos24h

Auxílio-doença: INSS cancela 81% dos benefícios revisados no Rio

Com isso, será possível economizar R$ 233,7 milhões por ano no pagamento de benefícios no estado

Após realizar 23.719 perícias de revisão no estado do Rio, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) cancelou 19.269 auxílios-doença, o que representa 81,2% dos trabalhadores que passaram pelo pente-fino em 2017. Com isso, conforme dados do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), será possível economizar R$ 233,7 milhões por ano no pagamento de benefícios no estado. 

De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), a ausência de convocados levou ao cancelamento de outros 2.072 benefícios. Além disso, 5.551 benefícios foram convertidos em aposentadoria por invalidez, 70 em auxílio-acidente, 182 em aposentadoria por invalidez com acréscimo de 25% no valor do benefício e 719 pessoas foram encaminhadas para reabilitação profissional. No estado, 41.100 benefícios de auxílio-doença serão revisados.

No Brasil, até 22 de novembro, foram realizadas 242.167 perícias com 213.873 benefícios cancelados. A ausência de convocados levou ao cancelamento de outros 20.304 benefícios. Além disso, 39.406 benefícios foram convertidos em aposentadoria por invalidez, 2.066 em auxílio-acidente, 1.272 em aposentadoria por invalidez com acréscimo de 25% no valor do benefício e 5.854 pessoas foram encaminhadas para reabilitação profissional. Ao todo, 530.191 benefícios de auxílio-doença serão revisados. A economia anual estimada até agora é de R$ 3 bilhões.

As convocações dos aposentados por invalidez, no Rio, que também passarão pela revisão, começou em agosto. Ao todo, 72.016 segurados do Estado do Rio serão convocados para o pente-fino. O INSS, porém, ainda não tem dados sobre o cancelamento nesse tipo de benefício.

O pente-fino nos benefícios pagos pelo INSS, previsto em medida provisória, começou em 2016, mas foi suspenso porque o Congresso não aprovou a medida provisória a tempo. O governo, então, editou uma nova MP, e a revisão foi retomada no início deste ano, com uma força-tarefa dos médicos peritos, que foram liberados a fezer hora extra para realizar o pente-fino.

Fonte: Jornal Extra

Pesquisa: Soropositivos indetectáveis não transmitem HIV a parceiros sexuais

A informação não é nova, mas só ganhou impulso neste ano

Pessoas que vivem com HIV, mas que estão com carga viral indetectável, não transmitem o vírus sexualmente. Isto significa que casais soro diferentes, quando uma pessoa tem HIV e a outra não, podem até abrir mão do preservativo, para ter filhos de maneira natural, sem que haja transmissão do vírus. O fato está baseado em diversas pesquisas científicas realizadas na última década e é a base de apoio da campanha internacional Undetectable = Untransmittable (Indetectável = Intransmissível), que ganha atenção especial neste 1º de dezembro, Dia Mundial de Combate ao HIV/Aids. Essa novidade, porém, ainda causa apreensão entre alguns médicos brasileiros. 

A única maneira de se alcançar a carga viral indetectável (até 40 cópias do vírus por mililitro de sangue) é por meio do tratamento com antirretrovirais, oferecidos de graça no Brasil. Se tomar o remédio corretamente, o soropositivo pode alcançar esse status em até seis meses, de modo geral. Para mantê-lo depois, basta não interromper o tratamento e fazer os exames periódicos para monitoramento. Isto evitará que a pessoa desenvolva Aids, como é sabido há muito tempo, e impedirá, segundo as pesquisas, que transmita o vírus aos parceiros sexuais. Não se trata da cura ainda, mas a informação é tratada como revolucionária por estudiosos e ativistas.

Se o tratamento é tão efetivo, a ausência dele é sinônimo de preocupação. Sem tomar os medicamentos corretamente, o soropositivo permanece detectável, com milhares ou milhões de cópias do HIV por ml de sangue; pode tornar o vírus resistente e transmiti-lo a outras pessoas em relações sexuais desprotegidas; e desenvolver a Aids, tornando o organismo vulnerável a doenças oportunistas, que podem levar à morte. Além disso, se o tratamento bem sucedido dispensa o uso de preservativo em relação ao HIV, não protege contra outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como sífilis, gonorreia, herpes genital etc – por isso, o uso da camisinha continua fundamental.

“A gente repassa isso ao paciente com as devidas orientações, no sentido que isso vale para o HIV. Então, uma vez que você tem relação sexual sem preservativo com outros parceiros, o risco de se contaminar com outras doenças, como a sífilis, se torna possível”, afirma a médica infectologista Ana Cristina Medeiros Gurgel.

Fonte: Campos24h

Estudos de nova vacina e remédio de ação prolongada aumentam esperanças em luta contra o HIV

Testes iniciam com parceria entre empresas e instituições de pesquisa e englobam 5,8 mil mulheres na África

Pesquisadores anunciaram o lançamento de dois grandes estudos na África nesta quinta-feira (30) para testar uma nova vacina anti-HIV e um remédio injetável de ação prolongada, alimentando as esperanças de formas de proteção melhores contra o vírus que causa a Aids.

O início do teste de três anos da vacina com 2,6 mil mulheres do sul africano significa que, pela primeira vez em mais de uma década, existem dois grandes testes clínicos de vacina anti-HIV em andamento ao mesmo tempo.

O novo estudo está testando uma combinação de duas vacinas desenvolvidas pela Johnson & Johnson com os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês) e a Fundação Bill & Melinda Gates. A primeira vacina, que também tem apoio dos NIH, começou a ser testada em novembro passado.

Simultaneamente, a unidade ViiV Healthcare da farmacêutica GlaxoSmithKline está iniciando outro estudo com 3,2 mil mulheres da África subsaariana para avaliar o benefício de dar injeções bimestrais de sua droga experimental cabotegravir.

A iniciativa da ViiV, que deve durar até maio de 2022, também conta com recursos dos NIH e da Fundação Gates.

As mulheres são um grande foco da luta contra a doença sexualmente transmitida, já que na África elas representam mais da metade de todas as novas infecções de HIV.

Embora os medicamentos modernos contra HIV tenham feito com que a doença passasse de uma sentença de morte a um mal crônico e tratamentos com remédios preventivos possam ajudar, uma vacina ainda é vista como crucial para reverter a pandemia.

Fonte: G1

Campos terá polo da Campanha de Prevenção ao Câncer de Pele

O município de Campos vai participar, mais uma vez, no próximo dia 2 de dezembro, sábado, da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele, que este ano completa 14 anos.

O atendimento será no Hospital Escola Álvaro Alvin (HEAA), das 9h às 15h. A expectativa é de que entre 200 e 300 pessoas sejam atendidas, sem a necessidade de agendamento prévio. A campanha, sob o tema “Dezembro Laranja”, é realizada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

“Ao chegar e se identificar, a pessoa será encaminhada para avaliação. No atendimento, será orientada a como identificar os principais sintomas da doença e as medidas que pode adotar para se proteger. No ano passado, das 220 pessoas atendidas, 16 foram diagnosticadas com a doença, fora aquelas identificadas com pré-câncer” afirmou a médica dermatologista Ana Paula Moura de Almeida, coordenadora do posto da campanha em Campos.

O câncer de pele é o de maior incidência no país, com cerca de 176 mil novos casos ao ano, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA). A questão genética influencia, mas o risco é agravado pelo clima tropical do país. De acordo com a médica, as pessoas devem estar atentas à prevenção.

“ Normalmente as pessoas de pele mais clara são as mais vulneráveis, mas todos devem usar sempre o protetor solar fator 30. Na região, temos pessoas que se expõem mais aos raios ultravioleta, como pescadores e lavradores, e que normalmente não tomam muito cuidado” alerta a especialista.

Ainda segundo a dermatologista, durante a campanha, os possíveis casos de câncer e pré-câncer identificados serão encaminhados para o devido atendimento e tratamento na rede de saúde do município. “Mas o grande foco é mesmo a questão da prevenção. Temos que melhorar as formas de precaver, no dia a dia, pois somente assim iremos, no decorrer dos anos, iremos reduzir esses índices alarmantes da doença”, conclui a dermatologista. 

A secretária de Saúde, Fabiana Catalani, os pacientes que apresentarem lesões suspeitas na pele serão encaminhados para realização da biópsia já com data agendada para o mês de dezembro.

“Esta ação é de extrema importância para a conscientização da população sobre a gravidade do câncer de pele, que é o mais frequente no Brasil e que se diagnosticado rapidamente, pode ter 100 por cento de cura “ressaltou Fabiana Catalani.

 Fonte: Supcom

 

Anvisa: Vacina da dengue não deve ser tomada por quem nunca teve a doença

Estudos apontaram risco de reações em pacientes que receberam doses da ‘Dengvaxia’

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) passou a recomendar nesta quarta-feira (29) que a vacina da dengue, vendida na rede privada na maior parte do Brasil, não seja tomada por quem nunca teve a doença. A partir de agora, a imunização é considerada segura apenas para aqueles que já foram infectados pelo vírus. 

A “Dengvaxia”, fabricada pelo laboratório francês Sanofi Pasteur, passou por testes de segurança. De acordo com informações preliminares, que precisam de uma análise mais completa dos estudos, alguns indivíduos apresentaram formas mais graves da doença após a aplicação – isso ocorreu em pessoas que não haviam tido um contato prévio com o vírus.

Por enquanto, a bula será atualizada. A Anvisa disse que irá analisar os resultados completos para se posicionar novamente. Todas as diretrizes para vacina de dengue, recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), dizem que é necessário um acompanhamento dos pacientes dos testes iniciais por mais quatro anos. De acordo com a Sanofi, isso foi feito.

Com isso, uma pesquisa foi feita pela farmacêutica para observar se as pessoas com reações já tinham sido infectadas pelo vírus da dengue.

Em números absolutos, a farmacêutica informa que para os próximos 5 anos o risco estimado para pessoas nunca infectadas é de 5 casos de hospitalização por 1 mil pacientes vacinados.

A Anvisa passou a recomendar, portanto, que pessoas que não tenham apresentado a doença não se vacinem. O órgão esclarece que o risco não havia sido identificado nos estudos apresentados para o registro.

A vacina

A “Dengvaxia” foi aprovada em dezembro de 2015 e passou a ser distribuída em julho do ano seguinte. Ela não é oferecida pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), mas está disponível para o estado do Paraná.
Antes do pedido de registro junto à Anvisa, 40 mil pessoas passaram por testes. Os ensaios clínicos seguiram os padrões exigidos pela OMS, de acordo com a agência.

Segundo Sheila, a indicação a partir de 9 anos foi colocada inicialmente porque foi visto que as crianças menores “tinham respondido mal à vacina”.

“Nós não sabíamos dizer se as crianças respondiam mal porque era uma questão de maturidade do sistema imunológico, ou se nunca tinham tido dengue antes. Várias dúvidas surgiram e a gente começou a questionar”.

Até o momento, a vacina “Dengvaxia” é a única aprovada por órgãos regulatórios no mundo. Mas existem outras vacinas em estudo. A que está em fase mais avançada é a que foi desenvolvida em parceria entre o Instituto Butantan e os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH), que já deu início à ultima fase de testes clínicos antes de ser submetida à Anvisa para registro.

Fonte: Campos24h

Apresentada nova Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa

A partir de dezembro, todos os envolvidos nas equipes de trabalho da Rede de Proteção Social da superintendência dos Direitos do Idoso serão capacitados, para implantar e e distribuir o documento

A superintendente dos Direitos do Idoso, Heloísa Landim, apresentou durante reunião, nesta semana, as novas cadernetas de saúde para a pessoa idosa, aos responsáveis por todas as Casas de Convivência integradas ao órgão. A partir de dezembro, todos os envolvidos nas equipes de trabalho da Rede de Proteção Social da superintendência, passarão por capacitação, para implantar e em seguida distribuir estas cadernetas aos atendidos.

 — A caderneta é a segunda identidade do idoso. É um documento com vasta informação sobre estas pessoas, e que em ocasião de qualquer problema de saúde, mal súbito, ao estar com esse documento na bolsa, quem atendê-lo saberá de possíveis problemas de saúde e necessidades. Assim ganha-se tempo, no atendimento. Através de planejamento, da nossa Rede de Proteção Social, temos o objetivo de atender às necessidades de todos esses polos, desenvolvendo nossa política de envelhecimento saudável e ativo — destacou Heloísa Landim.

A Caderneta de saúde para a pessoa idosa contém informações, como: doenças, medicamentos, vacinas, últimas consultas médicas e se é portador de algum tipo de alergia. Ainda segundo Heloísa, os servidores vão passar por capacitação para que, no ato da distribuição destas cadernetas, estejam preparados a transmitir as orientações.

O documento será preenchido com acompanhamento de assistentes sociais, para que os idosos compreendam toda a utilidade e para que o órgão armazene as informações de cada atendido. Após este trabalho, todas as cadernetas serão distribuídas para os idosos atendidos pela rede municipal.

Fonte: Comunicação PMCG