Uniforme Inteligente inibe alunos que matavam aula registrando presença

 

Família recebe mensagem avisando que a criança chegou na escola.
Uniforme inteligente não é obrigatório, mas tem agradado os pais.

Alunos do ensino fundamental já podem usar o uniforme inteligente (Foto: Mariane Rossi/G1)Alunos do ensino fundamental já podem usar o uniforme inteligente (Foto: Mariane Rossi/G1)

A primeira escola privada do país a implantar o uniforme inteligente, que avisa os pais quando o aluno entra ou sai da escola, fica em Santos, no litoral de São Paulo. A etiqueta já está sendo usada há quase um mês nos uniformes e tem sido uma novidade para as crianças e um tranquilizador para os pais.

O sistema do uniforme inteligente é bem simples. Uma etiqueta é colocada em uma das peças de roupa da criança. A escola possui uma espécie de antena que detecta a etiqueta assim que a criança entra, sai da escola ou quando o aluno vai para um segundo período para fazer cursos extras, reforço ou reposição de provas. O aparelho envia um email ou uma mensagem no celular, escolhido pela família, avisando que a criança entrou ou saiu do colégio.

Vandressa Guimarães Duarte Gaspar, diretora do colégio Onis, que foi a primeira escola particular a adotar esse sistema, diz que houve uma preparação de cerca de um ano para utilizar o uniforme inteligente. “Desde o ano passado a gente vem fazendo reuniões com os pais e com a empresa”, explica a diretora

A diretora da escola fala sobre o sistema (Foto: Mariane Rossi/G1)A diretora da escola fala sobre o sistema
(Foto: Mariane Rossi/G1)

Os pais que se interessaram pela novidade tecnológica tiveram que fazer um cadastramento e indicar o número do celular que a família quer que receba a mensagem. Apesar disso, sempre surgem dúvidas dos pais. “Alguns têm receio se isso pode causar algum problema em relação à saúde, mas é uma etiqueta normal, não acontece nada”, afirma a diretora.

Ela também esclarece que a etiqueta pode ser lavada e passada várias vezes e, mesmo assim, não irá perder a validade e eficiência. “Eles fizeram um teste de lavagem mais de 100 vezes e ela é prensada em um sistema deles. A criança usa, abusa, lava, passa, quantas vezes quiser e ela não sai. A criança cresce, perde a roupa e a etiqueta continua”, explica a diretora.

Aluna usando o uniforme com a etiqueta (Foto: Mariane Rossi/G1)Aluna usando o uniforme com a etiqueta
(Foto: Mariane Rossi/G1)

O uniforme inteligente não é obrigatório, já que os pais precisam pagar pelas etiquetas e pelas mensagens. Os técnicos da empresa responsável pelo material fazem plantões no colégio para inserção das etiquetas nos uniformes com uma máquina própria.

A etiqueta pode ser colocada na roupa ou em qualquer objeto do material escolar do aluno. “Temos muitos problemas de perda na escola. Então pode ser inserido em estojo, lancheira e pertences pessoais das crianças. Os pais podem inserir a etiqueta nesses pertences”, afirma a diretora. Na secretaria da escola há um leitor que identifica a etiqueta e de qual criança é aquele objeto.

Além de evitar perdas, o uniforme inteligente serve como um tranquilizador para os pais dos alunos. “A mensagem chega na hora. O filho passou às 17h36, o pai recebe a mensagem no mesmo minuto: ‘O Pedro acabou de entrar na escola’. Os pais que trabalham ficam mais seguros. Já os adolescentes que gostam de matar a aula acabam ficando intimidados com o sistema”, diz Vandressa.

Pais recebem a mensagem no celular avisando que o filho chegou na escola (Foto: Mariane Rossi/G1)Mensagem no celular avisando que a criança
chegou na escola (Foto: Mariane Rossi/G1)

O sistema já havia sido implantado em fevereiro de 2012 em uma escola pública emVitória da Conquista, no interior da Bahia. A cidade recebeu a nota mais baixa do país entre as redes municipais de ensino. O Estado instalou a etiqueta em todos os uniformes. Na unidade, 35% dos alunos não frequentavam as aulas. Depois das etiquetas, esse número caiu para 10%.

Em Santos, nos 15 primeiros dias da implantação do sistema, quase 70 alunos já usavam o uniforme inteligente. A diretora acredita que esse número irá crescer com o passar do tempo, já que a maioria dos pais está conhecendo o serviço e muitos estão gostando da novidade.

Vitor dos Santos Farias, de 13 anos, estuda desde pequeno na escola. Quando a mãe dele soube do uniforme inteligente, logo quis etiquetar duas camisetas e a mochila de Vitor. Ele diz que a tecnologia ajuda a não perder a mochila. Já Renata Luiza Dias, em menos de um mês do sistema já tem quatro camisetas e um agasalho com a etiqueta. “Eu achei meio estranho, mas depois foi normal. Não me incomoda e minha mãe disse que ficou mais tranquila”, conta a jovem.

A diretora acredita que o sistema está dando certo. Ela afirma que a escola e os pais ainda estão em fase de adaptação. Neste ano, o sistema começou a ser implantado apenas com os alunos do ensino fundamental e, no ano que vem, a diretora também pretender colocar a tecnologia na pré-escola.

A partir de 2014, todos os uniformes da escola serão vendidos com a etiqueta inserida, mas a ativação é opcional. “Se o pai quiser ativar, procura a secretaria da escola, faz o preenchimento de uma ficha, assina a autorização e a gente ativa a etiqueta”, finaliza a diretora.

About Fabricio Lirio

Fabricio Lirio has written 2163 post in this blog.

Fabricio

Fabricio Lirio

Fabricio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *