Dilemas do cotidiano

Viver nas cidades está cada vez mais caro. São tempos de deseconomias da aglomeração, pela crescente irracionalidade nas soluções e pelo crescente mal estar generalizado que impera.

Notícia recente dá conta de que hum milhão de usuários de planos de saúde deixaram o sistema por incapacidade de pagar seus custos mensais, diante da crise social latente. Nesse quadro, a saída é buscar a Saúde Pública local, que em muitos casos se revela uma verdadeira aventura com reduzida chances de sucesso.

Não bastasse essa situação, a escalada da violência urbana banaliza-se revelando a erosão da civilidade. Reféns das circunstâncias de uma ação policial intempestiva, moradores das áreas periféricas das cidades são reféns de uma guerra diária.  A violência urbana, porém, está longe de ser monopólio de policiais e bandidos.

A sociedade assiste pelos telejornais, já sem grande perplexidade – e até mesmo incontido entusiasmo – à escalada de intolerância e do punitivismo que predomina numa sociedade, aparentemente, sem lei.

Diante da piora da qualidade de vida nas nossas cidades, quais soluções apresentam os gestores atônitos diante da queda abrupta das receitas fiscais? Na população, as soluções apaixonadas conclamam uma cruzada contra a corrupção moral, penas mais duras, redução da maioridade penal, enquanto as soluções tecnocráticas de “especialistas” sugerem que nossas cidades precisam ser administradas como empresas.

 

Ranulfo Vidigal – economista, analista político e mestre em políticas públicas pela UFRJ.

About fabricio lirio

fabricio lirio has written 1347 post in this blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *