TRE-RJ orienta eleitor para o dia da votação

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia

Neste domingo (2), os mais de 12,4 milhões de eleitores dos 92 municípios fluminenses vão escolher seus candidatos a prefeito e a vereador. No município do Rio de Janeiro, 4.898.045 eleitores estão aptos a votar em 11.609 seções, distribuídas por 1.498 locais de votação. Para votar, o eleitor deve apresentar um documento oficial com foto – o título não é obrigatório, mas ajuda a encontrar a seção eleitoral. A votação começa às 8h e termina às 17h.

A Justiça Eleitoral recomenda que, antes de votar, o eleitor confirme o endereço de seu local de votação em www.tre-rj.jus.br – em alguns casos, houve mudanças, por isso é importante ficar atento. Outra dica é para que os eleitores preparem uma “colinha” com os nomes dos candidatos.

O que pode e o que não pode

No dia da eleição, só é permitida a manifestação individual e silenciosa do eleitor por meio de adesivos, bandeiras, broches e dísticos. Estão proibidos o transporte de eleitores, a aglomeração de pessoas e veículos com material de propaganda, o uso de alto-falantes, a realização de comícios, carreatas e boca-de-urna, e qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de candidatos em publicações, como panfletos e cartazes.

Na cabine de votação, os eleitores não poderão portar celular, máquinas fotográficas, filmadoras ou qualquer equipamento que coloque sob suspeita o sigilo do voto. Os celulares e qualquer outro dispositivo multimídia devem ser entregues aos mesários antes de o eleitor ingressar na cabina de votação. Quem descumprir a regra será inicialmente advertido, mas a insistência pode levar o eleitor a receber voz de prisão por crime de desobediência, previsto no artigo 347 do Código Eleitoral.

Voto de eleitor com deficiência

O eleitor com deficiência poderá ser auxiliado por pessoa de sua confiança para votar, ainda que não o tenha requerido antecipadamente ao juiz eleitoral. O presidente da mesa receptora de votos, verificando ser imprescindível que o eleitor seja auxiliado por pessoa da confiança do eleitor para votar, autorizará o ingresso dessa segunda pessoa, com o eleitor, na cabina, podendo ela, inclusive, digitar os números na urna. A pessoa que auxiliará o eleitor com deficiência não poderá estar a serviço da Justiça Eleitoral, de partido político ou de coligação. A assistência de outra pessoa ao eleitor com deficiência deverá ser registrada em ata.

Biometria

Em todo o estado, serão utilizadas mais de 37 mil urnas eletrônicas – em Niterói e Búzios, a identificação dos eleitores será feita biometricamente. Em outros cinco municípios, haverá votação híbrida: Vassouras, Arraial do Cabo, Trajano de Moraes, Miracema e Carmo. Ou seja, nesses locais, os eleitores que já tiverem feito o recadastramento biométrico serão identificados por suas digitais, enquanto que aqueles que ainda não passaram pelo procedimento votarão pelo processo de identificação tradicional.

Justificativa eleitoral

Todo eleitor que, no dia da votação, estiver fora de seu domicílio eleitoral – ou seja, não estiver na cidade onde seu título está registrado – tem de justificar sua ausência. Para isso, basta que, no próprio domingo (2), dirija-se a qualquer local de votação e entregue o Formulário de Requerimento de Justificativa Eleitoral devidamente preenchido. Vale lembrar que é necessário levar o título eleitoral e um documento oficial de identificação com foto. O formulário pode ser obtido, gratuitamente, nos cartórios eleitorais, nos postos de atendimento ao eleitor, nas páginas da internet do TRE-RJ (www.tre-rj.jus.br) ou do TSE (www.tse.jus.br) e nos próprios locais de votação ou de justificativa.

Quem não puder justificar no dia da votação tem até 60 dias, a contar da data da eleição, para comparecer a qualquer cartório eleitoral do país e apresentar as razões pelas quais não pôde votar, as quais serão analisadas pelo juiz eleitoral. Após esse prazo, o eleitor que não votou nem justificou a ausência no dia da eleição ainda deverá procurar regularizar sua situação em qualquer cartório eleitoral, mas, nesse caso, estará sujeito à cobrança de multa no valor de R$ 3,51 por turno.

Justiça expede alvará de soltura para secretária de Desenvolvimento

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia

A secretária de Desenvolvimento Humano e Social de Campos, Ana Alice Ribeiro Alvarenga, e a coordenadora do Cheque Cidadão, Gisele Koch, receberam os alvarás de soltura na tarde desta sexta-feira (30) e podem ser soltas nas próximas horas. As duas estavam no Presídio Feminino de Campos, após terem sido presas na Operação “Vale Voto”, que investiga o uso do Cheque Cidadão em troca de votos. O alvará foi expedido pelo juiz Ralph Manhães, da 100ª Zona Eleitoral de Campos, e teve aprovação do Ministério Público Eleitoral (MPE). O juiz é o mesmo que foi atacado por Anthony Garotinho nesta semana em seu programa de rádio.

 

Ana Alice e Gisele foram presas na última sexta (23) e tiveram as prisões temporárias revertidas em prisões preventivas. Mesmo em liberdade, as duas não poderão participar de manifestações eleitorais ou voltar aos postos de trabalho que ocupavam antes.

Cheque Cidadão: suspensão é apenas para cadastrados a partir de junho

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia

Uma mensagem de texto enviada do celular do secretário de Governo, Anthony Garotinho, para várias pessoas de sua lista de contatos confirma um boato que circula nas redes sociais de Campos: a prefeitura não fez o pagamento do benefício Cheque Cidadão – que deveria ter acontecido nesta sexta-feira (30). Com isso, muitas pessoas estão sem receber o valor de R$ 200, que é depositado mensalmente. Na mensagem, Garotinho, ainda ataca o candidato Rafael Diniz.

 

“Infelizmente Rafael Diniz conseguiu na justiça uma decisão que a Prefeita só pode pagar a (sic) cheque depois da eleição. RECORREMOS DA DECISÃO mas infelizmente não saiu a decisão até a hora da prefeitura realizar o depósito que seria hoje às 16h”, escreveu Garotinho em mensagem de texto.

 

Embora o secretário tenha divulgado a mensagem, a decisão de suspender o pagamento foi da Justiça e baseada em um suposto esquema de compra de votos que envolve o benefício. Mesmo assim, a decisão vale só para os cadastrados a partir do dia primeiro de junho deste ano, conforme documento oficial. (veja também a foto)

 

“O Juízo da 99ª Zona Eleitoral de Campos dos Goytacazes, diante da inconsistência de algumas informações que vêm sendo divulgadas na imprensa, vem a público esclarecer que a decisão proferida por este Juízo determinou a suspensão do pagamento do Cheque Cidadão apenas para as pessoas que foram cadastradas a partir do dia 01/06/2016 e que qualquer suspensão que atinja os demais beneficiários decorre opção única e exclusiva da Prefeitura Municipal”, afirmou o comunicado da Justiça.

Moro decreta prisão preventiva de Palocci

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia

O ex-ministro Antonio Palocci e seu assessor Branislav Kontic tiveram prisão temporária convertida em prisão preventiva, por tempo indeterminado, pelo juiz Sérgio Moro. Os dois estão desde a última segunda-feira na sede da Polícia Federal em Curitiba, quando foram presos na 35ª Fase da Lava-Jato, a Operação Omertá.

Moro decidiu pela preventiva depois que o Ministério Público Federal (MPF) afirmou que desktops foram retirados da sede da empresa de Palocci, a Projeto, e que o fato é indicativo de que Palocci e Kontic ocultaram elementos úteis à investigação. Quando os policiais federais chegaram, encontraram as mesas apenas com monitores, móveis e teclados. Os fios dos desktops estavam desconectados. Ouvido pela PF, Kontic teria dito que os desktops foram retirados por serem antigos, mas os procuradores argumentaram que as imagens registradas pela PF indicam que os equipamentos eram “bastante novos e em ótimo estado”.

O MPF afirmou ainda que há provas de que Palocci recebeu R$ 32,7 milhões em dinheiro em espécie, com entregas que relacionam a planilha “Italiano”, da empreiteira Odebrecht. Os procuradores dividiram as entregas em três lotes: R$ 16,2 milhões, divididos em 17 entregas de recursos em espécie entre julho e setembro de 2010; R$ 15 milhões em nove entregas entre outubro e novembro do mesmo ano e R$ 1,5 milhão vinculado a pessoa identificada pelo codinome “Menino da Floresta” na planilha da empreiteira.

Além disso, ao confrontar a planilha “Italiano” com extratos da conta ShellBill, que pertence ao marqueteiro do PT João Santana e à mulher dele, Mônica Moura, o MPF diz ter sido possível identificar depósitos de US$ 11,7 milhões feitos pela Odebrecht por meio da offshore Innovation Research entre julho de 2011 a maio de 2012.

Ao pedir a prisão preventiva, o delegado Hille Pace também havia reforçado, num documento de 86 páginas, as suspeitas de que Palocci fazia a ligação entre o PT e a empreiteira Odebrecht, intermediando assuntos de interesse da empreiteira. Segundo as investigações, o valor alcançaria R$ 128 milhões. Nesta semana, o Banco Central bloqueou, a pedido de Sergio Moro, quase R$ 31 milhões das contas pessoal e da empresa de Palocci.

 

Desemprego fica em 11,8% no trimestre encerrado em agosto

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia

É a maior taxa da série da Pnad, que começou no 1º trimestre de 2012.
Número de desocupados chegou a 12 milhões no país, segundo o IBGE.

O desemprego ficou em 11,8% no trimestre encerrado em agosto, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a maior da série da Pnad, que teve início no primeiro trimestre de 2012.

A taxa aumentou em relação à registrada no trimestre anterior, de março a maio, quando ficou em 11,2%, e em comparação à relativa ao trimestre encerrado em agosto de 2015, que atingiu 8,7%.

De junho a agosto deste ano, havia 12 milhões de desocupados no Brasil, de acordo com o IBGE. O número representa uma alta de 5,1% sobre o trimestre de março a maio de 2016 e de  36,6% diante do mesmo período de 2015.

Por outro lado, a população ocupada somou 90,1 milhões. Em comparação ao trimestre anterior, o contingente recuou 0,8% e em relação ao mesmo trimestre do ano passado, diminuiu 2,2%.

“O contingente de pessoas ocupadas continua em queda em ambos os períodos de comparação. Nós voltamos ao patamar de 2013. E em um ano, esse contingente perdeu cerca de 2 milhões de trabalhadores”, ressaltou Cimar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do IBGE.

Desse total, havia 34,2 milhões de trabalhadores com carteira assinada. O número não mudou em relação ao trimestre de março a maio de 2016. Já frente ao trimestre de junho a agosto de 2015, a queda foi de 3,8%.

No trimestre encerrado em agosto, o rendimento médio dos trabalhadores ficou em R$ 2.011 e praticamente não variou em nenhuma das comparações.

Categorias de trabalhadores
O número de trabalhadores domésticos diminuiu 2,5% em relação ao trimestre de março a maio ao atingir 6,1 milhões de pessoas. Se comparado com o resultado do trimestre de junho a agosto de 2015, houve estabilidade.

O número de trabalhadores do setor público, em compensação, cresceu 1,6% sobre o trimestre anterior e chegou a 11,4 milhões de pessoas. Na outra base comparação, não houve variação.

Com o aumento do desemprego, o número de trabalhadores por conta própria vinha aumentando, mas nesse trimestre encerrado em agosto, foi registrada queda de 3,2%, para 22,2 milhões de pessoas. Sobre o mesmo período de 2015, houve estabilidade.

Indústria
Na comparação com o trimestre anterior, o emprego na indústria caiu 1,9%, na construção recuou 3,3% e nos serviços domésticos diminuiu 2,8%. Por outro lado, aumentou 1,9% na administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (acréscimo de 294 mil pessoas).

Na comparação com o trimestre de junho a agosto de 2015, foi registrada queda de 2,8% na agricultura, pecuária, produção florestal e pesca; de 11% na indústria geral e de 9,4% na informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas.

Aumentou 4,4% em transporte, armazenagem e correio, 5,3% em alojamento e alimentação e de 3,5% em administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais. Os demais grupamentos não se alteraram.

Servidores municipais fazem protesto em frente à Câmara

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia

Servidores municipais promoveram um ato em frente à Câmara de Vereadores, nesta quinta-feira, às 17h. Mesmo com poucos representantes das categorias e também da população, os profissionais não deixaram de fazer um alerta aos cidadãos e de pontuarem irregularidades dentro de seus setores. A categoria com mais representantes foi a educação e, junto com profissionais do setor administrativo e da saúde, fez um protesto com cartazes e uma faixa alertando para o problema da compra e venda de votos no próximo pleito.

— A gente está demonstrando a insatisfação com o governo e com essa Câmara que está aí conivente com tudo que está de errado nesta cidade. Nosso objetivo aqui é fazer com que a população de Campos acorde para o pleito que ocorre no dia 2, agora. Para que toda essa Câmara que fez Campos sofrer durante oito anos seja renovada, a intenção, o desejo da gente é de que não permaneça nem 10%. Esse é o nosso objetivo maior”, disse a profissional da educação Zilma Nogueira Pessanha.

Servidora atuante na Creche Escola João Goulart, Zilma denunciou problemas de pessoal, como a necessidade de vigilantes na escola, problema que persistiu durante oito anos e que há três meses foi solucionado, e também quanto à falta de materiais, que vai desde produtos de limpeza até os de uso no dia a dia para a realização de atividades escolares na unidade.

— Nós estamos há oito anos com a creche sendo saqueada, inclusive, uma equipe de reportagem foi chamada há uns meses, quando houve uma baderna e quebraram tudo lá. Eles não queriam deixar os professores falarem lá na frente com a imprensa, mas os professores foram. Não existia vigia, mas, de três meses para cá, tem vigia sobrando para todos os lados. Só no ano passado, nós compramos três aparelhos de DVD para dentro das salas, porque foram saqueados à noite. Este ano, às vésperas das eleições, tem dois vigias e um porteiro — contou a professora.

Uma professora da Escola Municipal Manoel Ribeiro, na localidade da Tapera, contou que a unidade passa pelos mesmos problemas e que os professores têm feito vaquinha para comprar os materiais básicos e manter a escola funcionando.

— Na minha escola, nós tivemos que comprar tonner e folha para dar prova às crianças no terceiro bimestre. Não tem papel higiênico. A escola está imunda, porque não tem produto de limpeza, a gente que compra cera. O dinheiro que vem do governo federal, que é para ser usado com as crianças, este ano foi usado para comprar papel higiênico, detergente, caneta para quadro, saco de lixo, tudo para o dia a dia — disse, revelando ainda que em muitos dias da semana as crianças têm tomado suco artificial pela manhã, ao invés de leite.

As professoras contaram ainda que o planos de cargos e salários dos servidores saiu, mas ainda não está em prática. Outra reivindicação foi o plano de saúde, que não é oferecido pela Prefeitura.

Algumas professoras tiveram receio em se identificar e de identificar suas escolas temendo represália da direção de suas unidades. Atualmente, o cargo de diretoria das escolas e creches é indicado por vereadores. Uma reivindicação antiga da categoria é a eleição direta para o posto, dentro de cada unidade.

Tropas federais virão a Campos coibir ações ilícitas durante eleições

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia

Assassinatos, explosões de bomba, ataques a jornais além de prisões pela compra de votos marcaram estas que já são as mais violentas eleições da História do Brasil. Foram quase vinte homicídios somente na Baixada Fluminense, nos últimos meses. Um tiroteio durante carreata em Itumbiara, no estado de Goiás, deixou dois mortos, um ferido e uma população em pânico às vésperas do pleito.

Mas tem mais: a explosão de uma bomba casa de um candidato a prefeito em Araçoiaba da Serra, no interior de São Paulo, bem como as prisões temporárias em Campos dos Goytacazes da secretária de Desenvolvimento Humano, Ana Alice Ribeiro, e da coordenadora do Cheque Cidadão Gisele Koch – pela Polícia Federal – dão o tom de guerra declarada em algumas cidades brasileiras.

Não foi à toa que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) autorizou o envio de tropas federais para garantir a segurança das eleições municipais em oito estados. Curiosamente, Goiás está fora da lista. Por prudência, Rio de Janeiro e São Paulo receberão soldados das Forças Armadas.

Em nosso estado, por motivos óbvios, as tropas estarão em Campos, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, São João de Meriti, São Gonçalo, Belford Roxo, Macaé, Magé, Queimados, Japeri e também na capital.

A planície testemunha uma série de ações ilícitas e agressões verbais que atentam contra o nível intelectual e moral desta campanha. A democracia e a lisura do processo eleitoral faz muito mal aos que buscam o poder a qualquer preço.

Após atacar delegado da PF, secretário de Governo bombardeia juiz

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia, Política

Após dois dias fora do ar, o secretário de Governo de Rosinha, Anthony Garotinho (PR), usou seu programa “Fala Garotinho”, transmitido pela Rádio Diário FM, para atacar o juiz Ralph Manhães, a quem acusou de parcialidade em suas decisões.

 

“Se o senhor tivesse o mínimo de respeito pelo cargo, o senhor não podia estar nessas eleições, pois a Prefeitura já arguiu sua suspeição várias vezes. E todas as decisões que o senhor deu contra a Prefeitura foram reformadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ)”, afirmou Garotinho, acrescentando que o magistrado “não tem sido imparcial” e que teria tomado “partido contra o governo”.

 

A equipe de reportagem do Jornal Online Terceira Via tentou contato com o magistrado, mas ele estava em reunião.

 

Nesta quarta-feira, o juiz Ralph Manhães indeferiu pedido de suspeição protocolado pelos advogados do secretário contra o delegado federal Paulo Cassiano Júnior, a quem Garotinho também atacou durante o programa.

 

“Como pode um delegado federal envolvido em um inquérito contra um programa social da Prefeitura pedir voto para um candidato de oposição?”, questionou o secretário.
Garotinho já havia usado seu blog para atacar o delegado.

 

Também na quarta-feira, ele publicou prints de uma mensagem de WhatsApp atribuída a Cassiano Júnior, acusando-o de fazer campanha para o candidato a prefeito Rafael Diniz (PPS).

 

A mensagem revela o número de suposto telefone particular do delegado, o que motivou inquérito contra Garotinho por crime de violação de sigilos dos dados cadastrais das telecomunicações, encaminhado à Polícia Federal (PF) pelo juiz Ralph Manhães ainda na quarta-feira.

 

Procurado, o delegado afirmou que “não comenta declarações de políticos em blogs ou meios de comunicação” e que fala “somente sobre provas de inquéritos policiais”.

 

A Rádio Diário FM, que havia tido sua programação suspensa até 2 de outubro, dia das eleições municipais, após decisão do juízo da 75ª Zona Eleitoral (ZE) de Campos, retomou suas atividades na quarta-feira, quando desembargadores do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) deferiram Mandado de Segurança impetrado pelo veículo.

 

Justiça desmente Garotinho e mantém secretária presa

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia, Política

Ao contrário do que foi divulgado pelo ex-governador Garotinho em seu programa na Rádio Diário na manhã desta quinta-feira (29), o ministro do Superior Tribunal Eleitoral Luiz Fux não concedeu habeas corpus à secretária de Desenvolvimento Humano e Social, Ana Alice Ribeiro, presa no último dia 23 pela operação “Vale Voto”, realizada pela Justiça Eleitoral. Ela continua no Presídio Nilza da Silva Santos, em Campos. Nos bastidores de Brasília, consta que Fux teria ficado irritado com tal afirmativa de Garotinho, que tentou antecipar uma decisão da Justiça.

O ministro Luiz Fux, em no sua decisão, ainda afirmou que não encontrou elementos que comprovassem qualquer abuso da Justiça local e que os argumentos para a manutenção da prisão eram contundentes em razão da utilização do programa Cheque Cidadão como moeda de compra de votos, averiguados com a prisão do vereador Ozeias e com a investigação sobre outras pessoas do governo municipal.

Leia o trecho da decisão do ministro Fux:
“In casu, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, ao denegar a ordem requerida, assentou que:
O pedido de prisão temporária (fls. 14/47) expõe minuciosamente os motivos pelos quais a medida foi pleiteada pelo Ministério Público
Eleitoral, detalhando os fatos que ensejaram o pedido.
Na aludida peca, relata o Parquet que, no dia 29.08.2016, o Vereador Ozeias Azeredo Martins foi preso em flagrante pela suposta pratica do
crime previsto no artigo 299 do Código Eleitoral (“compra de votos”).
Dentre os documentos apreendidos em posse do referido Vereador, havia anotações com nome e outros dados de diversas pessoas, encimadas
por inscrições como ‘procurar cheque cidadão’, que indicavam o benefício ou vantagem que teria sido oferecida em troca do voto.
Em uma delas, consta o nome da paciente, que é Secretária de Desenvolvimento Humano e Social do Município de Campos dos Goytacazes,
além do nome de quatro assistentes sociais (fls. 34/35).
A narrativa segue dizendo que foram feitas diligências nas dependências da Prefeitura de Campos dos Goytacazes, revelando que outros
candidatos também estariam envolvidos em um esquema de compra de votos mediante uso indevido do programa Cheque Cidadão, com
participação ativa da paciente, além da coordenadora do programa, ‘todos em verdadeira organização criminosa, em prejuízo da igualdade de
condições entre os candidatos e, por conseguinte, à democracia, para cometer os crimes de compra de voto e boca de urna’ (fls. 39/40).
Afirmou o Parquet, ainda, que teria sido descoberta a existência de uma listagem paralela de beneficiários, fora dos critérios legais, e que o
número de beneficiários teria passado de 12.000 para 30.000 nos dois meses que antecederam o pedido de prisão temporária.
Conclui que a prisão temporária da paciente e de outras pessoas seria necessária para preservar as investigações e para evitar a continuidade
das práticas ilícitas.
A decisão do juízo impetrado acolheu as alegações do Ministério Público, consignando que ‘há informações no presente requerimento e
também nos autos daquele inquérito da existência do constrangimento das pessoas que trabalham no programa cheque cidadão’, ressaltando,
ainda, a possibilidade de obstrução à colheita das provas e de ocultação de prova.
Assim, ao menos em análise perfunctória, a decisão apontada como coatora não parece padecer de ilegalidade.
Ante o exposto, voto pelo indeferimento da medida liminar pleiteada”.

Garotinho fez a mesma afirmação sobre a suposta decisão da Justiça que nunca existiu em seu blog:

 

 

Além da secretária de Desenvolvimento Humano e Social de Campos, a coordenadora do programa Cheque Cidadão, Gisele Koch Soares, e outras oito pessoas que seriam ligadas ao vereador Ozeias (PSDB) foram detidas e encaminhadas à sede da Polícia Federal, em Campos.

 

“Durante a operação apreendemos uma lista com nomes de alguns beneficiários clandestinos. Essa lista fria traz nomes e CPFs de eleitores, além de nomes de candidatos os quais esses votos seriam vendidos em troca do Cheque Cidadão. A secretária e a coordenadora foram presas porque são elas que autorizam a inclusão de beneficiários. Inclusão está sendo feita sem obedecer aos critérios, como, por exemplo, estudo da real necessidade social”, informou o delegado na ocasião.

 

Após o anúncio, Garotinho também usou seu blog para explicar o equívoco. “Embora o jurídico da nossa campanha tenha afirmado em entrevista durante o meu programa de rádio que a questão relativa à secretária Ana Alice já estava resolvida, houve um equívoco, já que o deferimento pelo ministro Luiz Fux foi num caso praticamente idêntico, o que gerou esse ruído de comunicação. Portanto não houve ainda decisão do caso, nem favorável, nem contrária”.

Ao contrário do que foi divulgado pelo ex-governador Garotinho em seu programa na Rádio Diário na manhã desta quinta-feira (29), o ministro do Superior Tribunal Eleitoral Luiz Fux não concedeu habeas corpus à secretária de Desenvolvimento Humano e Social, Ana Alice Ribeiro, presa no último dia 23 pela operação “Vale Voto”, realizada pela Justiça Eleitoral. Ela continua no Presídio Nilza da Silva Santos, em Campos. Nos bastidores de Brasília, consta que Fux teria ficado irritado com tal afirmativa de Garotinho, que tentou antecipar uma decisão da Justiça.

O ministro Luiz Fux, em no sua decisão, ainda afirmou que não encontrou elementos que comprovassem qualquer abuso da Justiça local e que os argumentos para a manutenção da prisão eram contundentes em razão da utilização do programa Cheque Cidadão como moeda de compra de votos, averiguados com a prisão do vereador Ozeias e com a investigação sobre outras pessoas do governo municipal.

Juiz abre inquérito contra Garotinho

Autor: fabricio lirio  //  Categoria: Noticia

Bombardeado com as operações da Justiça Eleitoral, Ministério Público Eleitoral e Polícia Federal, o secretário de Governo Anthony Garotinho partiu para o ataque ontem, afirmando que tinha “revelações” envolvendo o delegado Paulo Cassiano Junior, responsável pelas investigações da “Vale Voto”.

Garotinho publicou em seu blog um print de mensagem de whatsApp, que seria do delegado, acusando-o de fazer campanha para o candidato a prefeito Rafael Diniz (PPS).

A imagem apresentada por Garotinho é uma mensagem creditada a Cassiano, onde diz que “a corrente do bem não para de crescer” e depois utiliza a expressão “Vai ser diferente!”, slogan da campanha de Diniz.

Garotinho afirma que, “ao ser informado por uma pessoa que recebeu a mensagem que se tratava do telefone do delegado Paulo Cassiano não acreditei. Liguei para um amigo que tem uma loja de telefones celulares, que tem acesso ao sistema, para saber se era possível descobrir o proprietário da linha”. O tal dono da loja de celulares teria pesquisado no sistema e confirmado que o número tratava-se do delegado.

Advogados de Garotinho foram ontem protocolar uma representação contra Paulo Cassiano Júnior por suspeição.

Acontece que…

O juiz Ralph Manhães não aceitou e ainda encaminhou à Polícia Federal inquérito contra Garotinho por crime de violação de sigilos dos dados cadastrais das telecomunicações.